segunda-feira, 31 de Março de 2014

[Opinião] " Uma história de amor eterno", de Sebastian Cole [Editorial Presença]



Autor: Sebastian Cole

Edição: 04/02/2014

Colecção: Grandes Narrativas [Nº 569]

Páginas: 264

Género: Romance romântico

Saiba mais detalhes sobre esta obra AQUI

Crítica por Isabel Alexandra Almeida para o Blog Os Livros Nossos:

   Uma História de Amor Eterno, do autor Norte Americano Sebastian Cole é, como o título não esconde, uma história de amor comovente, terna e surpreedente.

   As personagens centrais são -Noah Hartman -  oriundo de uma abastada família Judia, que  conhecemos já na fase final da vida, internado numa unidade hospitalar, onde recorda o seu percurso pessoal. Noah é uma personagem bastante densa psicologicamente, com a qual facilmente empatizamos. 

  Superprotegido pelos rígidos pais - Miriam e Jerry Hartman, conta com a amizade terna do irmão  Scott e da esposa deste, e encontra em Robin, uma Asistente Social ruiva, exuberante e de estatuto social inferior ao de Noah a sua verdadeira alma gémea, mas tal relacionamento não agrada à família de Noah, em especial à sua tradicionalista mãe Miriam Hartman, uma mulher de forte personalidade, fortemente controladora e manipuladora em relação à vida do filho, e que deseja que este encontre um casamento socialmente correcto, com alguém que seja do seu círculo de relações e que comungue da religião judaica.

   Contra a vontade dos pais de Noah, este e Robin iniciam uma relação onde alcançam o pleno entendimento e uma verdadeira comunhão de almas, até que, subitamente, as coisas escapam ao controlo de ambos, por motivos que, só no final do romance serão desvendados.

   Robin é uma mulher bela, extrovertida, solidária e bastante devotada ao seu trabalho junto dos mais carenciados, mas que esconde uma inquietação interior, uma perturbação psíquica  lhe chega mesmo a ser prejudicial, devido a situações profundamente traumáticas que marcaram a sua adolescência.

   Ao longo da obra, escrita num tom bastante emotivo e até mesmo confessional e intimista, onde acedemos ao mundo interno de Noah, o grande protagonista da trama, através de planos narrativos que percorrem o passado  e que vão fazendo eco do presente, assistimos ao amadurecimento da personagem, à sua reconstrução como ser humano, aprendendo gradualmente a sair da zona de conforto proporcionada pelo entorno familiar, e a arriscar satisfazer os seus próprios sonhos e vontades.

   Robin é uma personagem algo perturbadora, que suscita no leitor sentimentos algo contraditórios,até ao momento revelador em que iremos conseguir contextualizar a sua instabilidade psicológica.

   Ternura, amor, a força do destino, e um final verdadeiramente surpreendente prometem horas de entretenimento a todos os que adoram uma bela história de amor, narrada com sensibilidade e um toque de originalidade.

Classificação atribuída no Goodreads: 4 de 5 estrelas


sexta-feira, 21 de Março de 2014

[Renda & Saltos Altos] " O Olhar de Sophie", de Jojo Moyes [Porto Editora]



Autora: Jojo Moyes

Editora: Porto Editora

Edição: Março de 2014

Páginas: 456

Género: Romance


Quer ler as primeiras páginas deste livro? Leia AQUI


Crítica por Isabel Alexandra Almeida para o Blog Os Livros Nossos:


"Esta era a história das nossas vidas:pequenas insurreições, minúsculas vitórias, uma breve oportunidade para ridicularizar os nossos opressores, pequenos barcos de esperança a flutuar num imenso oceano de incerteza, privação e medo."





   O Olhar de Sophie, de Jojo Moyes é um emotivo romance que nos suscita algumas importantes reflexões acerca da condição humana, da resiliência dos seres humanos perante as condições mais adversas, da forma como gerimos as nossas perdas, e de como os papéis sociais podem estar em conflito de interesses.

   A narrativa mostra-se estruturada em dois planos - 1916/1917 [durante a I Guerra Mundial] na Vila de Péronne, ocupada por tropas Alemãs, e algumas incursões por momentos antes da guerra [em Paris]; e Londres em 2006. 

   Trata-se de uma estrutura narrativa algo complexa, pois na segunda parte do romance, de permeio com a narração do plano temporal contemporâneo, surgem analepses que servem para adensar o mistério e suspense que rodeia o destino da protagonista do primeiro plano narrativo.

 As personagens de maior relevo no primeiro plano narrativo, durante a I Guerra Mundial, são: Sophie Lefèvre, esposa do pintor impressionista da escola de Matisse Édouard Lefèvre, que tendo servido do modelo a um quadro do marido, vai deter, juntamente com o quadro, o maior protagonismo na trama; Hélène, irmã de Sophie,também casada, e Aurélian Bessette (o irmão mais jovem), que se encontram,em tempo de guerra, a explorar um velho negócio de família - o Hotel Le Coq Rouge, que acaba por ser o ponto de passagem de muita da população local e, a contragosto dos nativos, das tropas Alemãs aquarteladas na região, sob o comando do Kommandant, que requisitam os serviços de cozinha do Hotel para as tropas invasoras.

  No segundo plano narrativo, em Londres, vamos encontrar como protagonista feminina Olivia Halston, a viúva de um arquitecto de renome - David Halston, e Paul McCafferty - um ex agente da Policia oriundo dos Estados Unidos, e que assume as delicadas funções de Director de uma agência de investigação cuja missão é recuperar obras de arte roubadas durante as guerras, fazendo-as restituir às famílias de origem, dando conta de todos os procedimentos legais inerentes a tal tarefa.

   O traço de união entre ambos os planos temporais, separados entre si por quase cem anos, é precisamente o quadro que Édouard pintou, tendo como modelo a mulher Sophie, e que acaba por surgir na história como um símbolo do amor e da obsessão capaz de unir ou separar homens e mulheres.

   De todas as personagens, a nossa preferência vai para Sophie, uma mulher apaixonada, altruísta, que vê a sua realidade e a sua vida totalmente alteradas e subvertidas devido a uma guerra de que nenhum dos lados sairá vencedor, afinal, como a dado momento refere mesmo o Comandante Alemão aquartelado em Péronne.

   O clima de terror permanente, o prazer momentâneo das pequenas transgressões decorrentes das estratégias para ludibriar os invasores, os colaboracionistas e os resistentes, e toda uma rede social rural que assiste a uma inversão de valores e prioridades devido à guerra fica bem patente na narrativa respeitante a este período temporal.

  É impossível ler este livro e ficar indiferente aos diversos sentimentos contraditórios que nos vão assaltando, perante a violência, as injustiças, os actos irracionais e impulsivos, levando a reconhecer que o ser humano, apesar de tudo, adapta-se a vivências bastante adversas, usando como recursos psicológicos, por exemplo, a esperança em futuro melhor, a vontade de reencontrar alguém que ama, a solidariedade de toda uma comunidade local, com os seus defeitos e virtudes.

  Mas também se traça o reverso desta força positiva de resistir às dificuldades, o clima de suspeição e de julgamento social é implacável, as suspeitas mais ou menos fundamentadas podem cair sobre qualquer pessoa, e a crueldade da comunidade local para com aqueles que julga não agirem correctamente pode ser bastante equiparada à das tropas Alemãs.

  A dança da articulação dos papéis sociais que podem ser tão dispares, tão dissonantes, no fundo, invasores e inimigos são também, ou foram apenas "pessoas", "humanos", a quem a história e o destino pregou uma partida bastante cruel e absurda, porque crueis e absurdas são as próprias guerras.

 No plano contemporâneo, encontramos também uma protagonista feminina forte - Olívia [Liv] Halston, que se encontra ainda a fazer um luto complicado, após a morte do marido, um homem carinhoso, sensível e dedicado que partiu cedo demais.

  Olívia vai confrontar-se com emoções bastante intensas,  descobre uma boa amiga numa antiga colega de Faculdade - a simpática e radical Mo - encontra em Paul a ambiguidade de intenções que pode levar a que este desempenhe o papel de rival numa luta legal, ou talvez, a pessoa capaz de tirar Liv do registo de sobrevivência, trazendo-a de volta ao registo de vivência em toda a sua plenitude.

  Apaixonante, vibrante, agridoce e com um toque bastante filosófico, trata-se de um romance que tem um toque bastante especial, pautado por uma rara sensibilidade e escrito por uma autora que sabe bem captar a essência da alma humana, no que esta tem de melhor e de mais aterrador.

 O suspense que transita entre os planos é também um ingrediente que muito contribui para manter o leitor preso, além da linguagem e escrita irrepreensíveis de Jojo Moyes. 

Uma excelente opção editorial.

Classificação GoodReads Atribuída: 4 de 5 estrelas













   










segunda-feira, 17 de Março de 2014

[Histórico] "Sedução nas Highlands", de Maya Banks [Bertrand Editora]


Título: Sedução nas Highlands [McCabe - 2]

Autora: Maya Banks

Edição: Março de 2014

Editora: Bertrand Editora

Género: Romance Histórico/Erótico

Crítica por Isabel Alexandra Almeida parao Blog Os Livros Nossos:

   Sedução nas Highlands, de Maya Banks, corresponde ao segundo romance da série McCabe, onde iremos encontrar como protagonistas Alaric McCabe [Irmão de Ewan McCabe - o Laird do Clã, casado com Mairin], e de Caelen MacCabe], um guerreiro e ilustre membro do Clã McCabe, que está disposto a sacrificar tal condição, dispondo-se a casar-se com Rionna McDonald [ a filha do Laird do Clã vizinho] para cimentar uma necessária aliança política e estratégica entre ambos os clãs; e Keeley McDonald, um jovem afastada do seu clã (ironicamente, é uma McDonald).

   A caminho de ir ao encontro da noiva Rionna e de seu pai Gregor McDonald, Alaric sofre uma emboscada do qual resulta ser o único sobrevivente, e é socorrido pela bela e atormentada Keeley, que se tornou curandeira para garantir a subsistência, após haver caído em desgraça no próprio clã onde nasceu e fora criada.

   Os excelentes cuidados prestados por Keeley para com Alaric salvam o jovem e belo guerreiro de uma morte que era quase certa, mas acabam por o arrastar para as garras de um amor bastante profundo por Keeley, mas a relação de ambos colide com os supremos interesses da honra entre clãs, do cumprimento do dever e da palavra dados, e da necessidade de firmar alianças políticas que permitam combater os inimigos perigosos que espreitam os McCabe, e chegam a colocar em risco a segurança e mesmo a vida de todo o clã, já Mairin [cunhada de Alaric, esposa do Laird Ewan McCabe, e filha do Rei, por via ilegítima] e a criança que esta transporta no ventre podem correr sérios perigos.

  Dando continuidade aos cuidados prestados a Alaric, no Castelo dos McCabe, e receando não pertencer a lugar algum, Keeley irá envolver-se emocional e fisicamente com o guerreiro, deixando a ambos a necessidade de uma escolha difícil, presos numa verdadeira encruzilhada entre o amor, dever e honra.

  As personagens centrais cativam o leitor, são dotados de personalidades bem vincadas, e são ambos verdadeiras forças da natureza. Alaric é impulsivo, apaixonado, e ciente dos seus deveres para com a família, mas entrega-se a um amor que sabe ser inoportuno politicamente.

   Keeley é corajosa, decidida, muito perspicaz e leal, procurando encontrar a aceitação social que lhe viu ser negada injustamente no seio do seu próprio clã.

   A autora descreve-nos com bastante intensidade o ambiente dos clãs e castelos nas Highlands, com personagens fortes, onde  o dever de honra está bastante vincado e pode mesmo determinar o futuro, nem sempre em sintonia com as emoções vividas. Toda a intriga política, o calor dos combates e um delicioso mundo de heróis e vilões desfila perante os nossos olhos, de forma encantatória.

   Maya Banks não deixou de conferir a um romance em pano de fundo histórico, um pendor assumidamente erótico, e são bastante intensas as cenas de amor entre os protagonistas, capazes de fazer subir as temperaturas no frio clima escocês.  Embora contenha descrições de erotismo bem explícito, a autora não descurou a componente emocional, e toda a paixão física surge contextualizada numa envolvência emocional que enternece os leitores.

Apaixonante, ousado e deliciosamente tentador, este romance histórico de Maya Banks com cenário nas Highlands.

Uma série a acompanhar bem de perto.

Pontuação GR atribuída 5 de 5 estrelas.


sábado, 15 de Março de 2014

[Passatempo 3 - 2º aniversário] " Uma História de Amor Eterno", de Sebastian Cole [Presença]


   Com o simpático apoio da nossa parceira editorial Presença temos para sortear entre os nossos leitores um exemplar do romance Uma História de Amor eterno, de Sebastian Cole.


Regras do Passatempo:

- O passatempo decorrerá até as 23 horas e 59 minutos do dia 31 de Março de 2013
- É obrigatório ser fã da página do blog no Facebook -
- É obrigatório ser fã da página da Presença no Facebook - 
- É obrigatória uma partilha inicial no facebook, e será permitida uma partilha adicional por pessoa e por dia, aumentando-se as entradas por pessoa [quanto mais dias partilhar mais hipóteses tem de ganhar].
- Apenas são admitidas participações de Portugal Continental e Ilhas
- O vencedor será seleccionado através de random.org
- O livro será enviado pela editora ao vencedor, e nem a administração do blog nem a editora se responsabilizam por eventuais atrasos ou extravios no envio do livro pelos serviços postais nacionais.

Boa sorte !



[Passatempo 2 - 2º aniversário] " Banks Brothers Brides - 3 primeiros livros da Série", de Rose Gordon



   Com o simpático apoio da autora Rose Gordon, temos para sortear entre os nossos leitores os três primeiros livros da série de romances históricos designada por "Banks Brothers Brides].


Todos os exemplares se mostram autografados pela autora.

Regras do Passatempo:

- O passatempo decorrerá até dia  as 23 horas e 59 minutos do próximo dia 31 de Março de 2014
      - É obrigatório ser fã da página do blog no facebook - AQUI
      - É obrigatório ser fã da página da autora Rose Gordon no facebook - AQUI
      - Apenas serão admitidas participações de Portugal Continental e Ilhas
      - O vencedor será seleccionado através do site random.org
      - Os livros serão enviados ao vencedor pela administração do blog, e nem esta nem a autora assumem qualquer responsabilidade por atrasos ou extravios no sistema postal Português.
Rose Gordon



sexta-feira, 14 de Março de 2014

[Passatempo 1 - 2º aniversário] " A Partir deste momento", de Bella Andre [Planeta]



Neste mês de Março em que o Blog Os Livros Nossos celebra o seu 2º aniversário, mas as prendas são para os nossos leitores.

Com o precioso apoio da nossa parceira Editorial Planeta temos para sortear um exemplar do livro "A partir deste momento", de Bella Andre, que corresponde ao segundo romance da série "Os Sullivan".

Regras do passatempo:

- O passatempo decorre até ao dia 31 de Março de 2014, pelas 23 horas e 59 minutos
- É obrigatório ser seguidor público do Blog
- É obrigatório ser fã do blog na respectiva página do facebook
- Deve ser correctamente preenchido o formulário abaixo, sendo necessária a partilha do passatempo no facebook, e será permitida uma entrada adicional por pessoa e por dia, desde que haja nova partilha.
- A administração do blog e a Editora não se responsabilizam por eventuais demoras ou extravios nos serviços postais, sendo a remessa do livro feita pela editora para o vencedor a apurar.


Boa sorte e boas leituras!



quinta-feira, 13 de Março de 2014

[Renda & Saltos Altos] "Prazer Ardente", de Lisa Kleypas [5 Sentidos]


Título: Prazer Ardente

Autora: Lisa Kleypas

Edição: Março de 2014

Editora: 5 Sentidos [Grupo Porto Editora]

Páginas: 304

Género: Romance Histórico Sensual

Pode ler AQUI as primeiras páginas do livro

Crítica por Isabel Alexandra Almeida para o Blog Os Livros Nossos:

  Prazer Ardente, de Lisa Kleypas, corresponde ao quarto romance da série "A Flor da Pele", com a chancela 5 Sentidos.

   A acção decorre em Inglaterra, no Século XIX. Vamos reencontrar personagens já conhecidas dos anteriores livros da série, que gira à volta de quatro amigas, inicialmente na ingrata condição de solteironas, e que, gradualmente, vão construindo as suas novas famílias - Annabelle [esposa de Simon Hunt]; Evie [esposa de Lorde St. Vicent]; Lillian Bowman [agora condessa de Westcliff, após ter casado com Marcus Westcliff], e a ainda solteira Daisy Bowman [irmão de Lillian, solteira aos 22 anos].

   Neste romance, assumem protagonismo a jovem Daisy Bowman [irmã de Lillian, e filha de Thomas Bowman, um duro comerciante de sabão] e Matthew Swift [um jovem ambicioso, feroz negociante, é empregado de Thomas Bowman e é visto por este como um filho, sendo inclusive mais estimado do que os filhos varões de Bowman].

   Confrontada com um ultimato do pai para arranjar marido, Daisy irá travar conhecimento com um leque de possíveis pretendentes, convidados a passar uns dias na mansão campestre da irmã desta [Lillian] e do cunhado [Marcus - Conde de Westcliff]. Determinado a ver a filha casada, Thomas Bowman impõe a Daisy uma obrigação, caso esta não encontre um marido pelos seus próprios meios e poder de decisão, num dado espaço de tempo, a alternativa será a jovem contrair casamento com Mathew  Swift.

  Sentindo que Matthew não é, de todo, o candidato indicado para seu futuro marido, Daisy aceita ir conhecendo o lote de pretendentes que é convidado para a mansão dos Condes de Westcliff.

   Mas Daisy, uma jovem inteligente, sensível, culta [é uma ávida leitora, hábito que merece sérias críticas e reservas da parte do seu conservador pai] acaba por travar conhecimento mais aprofundado com Mathew, descobrindo o lado mais humano, sensível e divertido do intrépido homem de negócios, e começa a sentir dúvidas sérias quanto ao seu futuro.

   Mathew, por sua vez, fica deveras surpreso ao saber as intenções do patrão de o fazer seu genro, e não sabe bem como gerir a afeição que nutre pela jovem, mas que sempre reprimiu, com receio de ser mal aceite ou mal entendido.

  Daisy e Mathew terão de perceber, no seu respectivo intimo, se são ou não compatíveis, e além de importantes decisões, há importantes segredos no passado de Mathew que podem colocar em risco o seu futuro, ainda que este pudesse incluir uma vida ao lado de Daisy.

  A autora confere à narrativa um ritmo bastante equilibrado. É muito fácil simpatizar com os dois protagonistas, e é verdadeiramente delicioso apreciar os toques de humor com que a narrativa vai sendo enriquecida.

   São bastante acentuados os elementos de romantismo e de elegante sensualidade, e não são esquecidos detalhes bastantes apelativos para os apreciadores deste tipo de romance de época, como as referências a diversos maneirismos sociais próprios do período histórico em causa, como a necessidade de encontrar um bom marido inerente a todas as jovens debutantes no seio da alta sociedade britânica, os rituais de sedução que estavam presentes em actividades de lazer [bailes, jantares, saraus, jogos colectivos] e ainda o facto de ser criticável e mal aceite a intelectualidade das mulheres [note-se que a estas cabia, de acordo com princípios sociais mais ortodoxos, constituir família e gerir uma casa, deixando de parte actividades intelectuais como hábitos de leitura, e aqui, como leitora ávida , Daisy assume uma característica menos convencional e que é alvo de sérias reservas por parte do pai].

  Resultam bem destacados na obra os valores da amizade, apoio e os estreitos laços que unem as quatro amigas, ainda que o futuro possa implicar alguma distância espacial entre estas.

Interessante é também assistir a toda a dinâmica familiar dos Bowman, com um pai frio, determinado e autoritário, como é Thomas. Mercedes  [mãe de Lillian e Daisy] assume-se como uma mulher distante, rígida e demasiado presa ao peso das convenções sociais, revelando-se uma pessoa com pouca capacidade de investimento afectivo nas filhas. Por sua vez, esta mesma distância parental, acabou por tornar muito cúmplice e protectora a relação entre as duas irmãs - Lillian e Daisy. 

   Aliás, na sua vertente de protecção, Lillian chega mesmo a ser egoísta, ao recear que a irmã mais nova tenha de afastar-se, devido ao casamento.

   Muitos twists pautam também esta narrativa verdadeiramente deliciosa e envolvente. Uma série a seguir, ler, reler e guardar em lugar de destaque na biblioteca.

Classificação Goodreads atribuída: 5 em 5 estrelas



  

   

   

quinta-feira, 6 de Março de 2014

[Novos Livros] " O Olhar de Sophie", de Jojo Moyes [Porto Editora]



Autora: Jojo Moyes

Editora: Porto Editora

Edição: Março de 2014

Páginas: 456

Género: Romance

Disponível a partir de 7 de Março de 2014


Saiba mais detalhes sobre esta obra: AQUI

Quer ler as primeiras páginas deste livro? Leia AQUI

[Sinopse da Obra]:

   Somme, 1916. Sophie vive numa vila ocupada pelo Exército alemão, tentando sobreviver às privações e brutalidade impostas pelo invasor, enquanto aguarda notícias do marido, Édouard Lefèvre, um pintor impressionista, que se encontra a lutar na Frente. Quando o comandante alemão vê o retrato de Sophie pintado por Édouard, nasce uma perigosa obsessão que leva Sophie a arriscar tudo - a família, a reputação e a vida.

   Quase um século depois, o retrato de Sophie encontra-se pendurado numa parede da casa de Liv Halston, em Londres. Entretanto, Liv conhece o homem que a faz recuperar a vontade de viver, após anos de profundo luto pela morte prematura do marido. Mas não tardará que Liv sofra uma nova desilusão - o quadro que possui é agora reclamado pelos herdeiros e Paul, o homem por quem se apaixonou, está encarregado de investigar o seu paradeiro…

   Até onde estará disposta Liv a ir para salvar este quadro? Será o retrato de Sophie assim tão importante que justifique perder tudo de novo?

[Sobre a autora]:


    Jojo Moyes nasceu em 1969 e cresceu em Londres. Estudou Jornalismo e foi correspondente do jornal The Independent até 2002, quando publicou o seu primeiro romance, Retrato de Família, e resolveu dedicar-se à escrita a tempo inteiro. Foi uma das poucas autoras a ganhar por duas vezes o prémio Romantic Novel of the Year, primeiro com Foreign Fruit (2003) e com A Última Carta de Amor (2010). Do catálogo da Porto Editora constam já os romances Silver Bay - A Baía do Desejo, Um Violino na Noite, Retrato de Família, A última carta de amor e Viver depois de ti.