sexta-feira, 28 de agosto de 2015

[Renda & Saltos Altos] "Deslumbrada" - O Chefe 1 - de Abigail Barnette [Planeta]

Ficha Técnica:

Título: Deslumbrada [O Chefe #1]


Autora: Abigail Barnette


Editora: Planeta


Edição: Maio de 2015


Nº de Páginas: 368


Género: Romance erótico/contemporâneo

Classificação atribuída no GR: 5/5 estrelas


Saiba mais detalhes sobre a obra  e leia o primeiro capítulo AQUI


Crítica por Isabel Alexandra Almeida para o Blog Os Livros Nossos:


   Deslumbrada é o primeiro de uma série de romances eróticos contemporâneos escrita por Abigail Barnette, o nome sob o qual a autora Jenny Trout, também conhecida por escrever romances de terror, assina os seus romances eróticos.

   Como protagonista feminina encontramos a jornalista Sophie Scaife, uma ambiciosa e assertiva jovem de 24 anos, que é assistente da Editora da Revista de moda Porteras, e assiste a uma autêntica revolução no seu emprego ao ver a sua superior hierárquica directa ser despedida, após a aquisição do título pela empresa Elwood & Stern.  Mas a maior surpresa ainda está para chegar, o novo chefe - o milionário Neil Elwood, é nada mais nada menos do que um desconhecido com o qual Sophie teve um encontro casual, há uns anos atrás, quando ambos se cruzaram num aeroporto.

  Colocando a carreira no topo das suas prioridades, Sophie acabará inevitavelmente por se sentir atraída pelo charme e sedução do seu Chefe, tentando a todo o custo que a relação entre ambos se mantenha discreta, em segredo, e sem compromisso emocional inerente à mesma, mas o jovem e o milionário ver-se-ão motivados a tomar decisões importantes, a medir lealdades e a assumir consequências do caminho que escolherem.

  Neil é um homem maduro, com um casamento que não foi bem sucedido, mas do qual resultou o nascimento da filha Emma, que adora. Não vai resistir aos encantos de Sophie, gosta de assumir o papel de dominador numa relação íntima, e Sophie irá descobrir que se enquadra no papel de submissa, obedecendo a Neil, na vivência da sexualidade e intimidade entre ambos.

  Se tudo corre bem, em termos físicos, ambos vão lutar contra as emoções que começam a afectá-los, e que têm de gerir em conjunto com uma teia de competitividade, luta pelo poder e pelo papel de topo no meio editorial da moda em que ambos se movem.

  As personagens secundárias trazem também um colorido interessante à trama, neste âmbito, o destaque vai para Holly, uma super-modelo, melhor amiga e confidente de Sophie, que vê a carreira em ascensão, embora não esteja isenta de críticas quanto à sua extrema magreza; e Rudy Ainsworth, figurinista da Metropolitan Opera, e o melhor amigo e confidente de Neil. Estas figuras de apoio têm um papel de relevo, pela ajuda que proporcionam aos protagonistas perante as tensões psicológicas que estes vivenciam.

  O factor distintivo deste romance em relação a outras obras do género erótico é o facto de este nos trazer personagens verosímeis e combinando de forma perfeita a articulação entre atracção física, química sexual e mundo emocional dos protagonistas, tudo complementado com uma trama de intriga, e luta pelo poder no mundo editorial das revistas de moda conceituadas, e com uma clara ligação à realidade, deixando presente que nem tudo é absolutamente perfeito, mesmo no mundo de glamour e riqueza da imprensa de moda de relevo internacional.

 Intenso, extremamente sensual mas com uma narrativa bem construída, e com personagens que vivem dilemas bastante reais. Feminino, sexy e realista! Uma série que iremos continuar a devorar e que mereceu nota máxima.




quarta-feira, 26 de agosto de 2015

[Histórico] "Aconteceu no Verão", de Beatriz Williams [Asa]

Ficha Técnica:


Título: Aconteceu no Verão


Autora: Beatriz Williams


Editora: Asa [Grupo LeYa]


Edição: 2015


Nº de Páginas: 384


Género: Romance Histórico


Classificação Atribuída no GR: 5/5 Estrelas



Crítica por Isabel Alexandra Almeida para o Blog Os Livros Nossos:


   Aconteceu no Verão é um romance histórico escrito de forma brilhante. A acção decorre nos Estados Unidos, num local ficcionado pela autora, mas baseado num local real e  com referência a uma terrível tempestade que, em plenos anos 30, causou muitas perdas humanas.

  Em Rhode Island, 1938, Lily Dane passa férias na residência estival da família, na companhia dos pais e da sua pequena irmã Kiki, reencontrando-se com fantasmas do seu passado recente, ao ser surpreendida pela chegada  de Budgie Greenwald [em tempos a sua melhor amiga da juventude] e de Nick Greenwald [o grande amor de Lily], um casal que não é bem aceite pela comunidade local, devido ao facto de a sua ligação ter ido contra todas as expectativas, sendo conhecida a paixão entre Lily e Nick.

   A alta sociedade de Nova Iorque reúne-se religiosamente naquela pequena localidade, sendo um local de encontro habitual o Clube de Seaview, onde decorrem jantares, jogos e outros eventos sociais, sob a supervisão apertada da rígida Senhora Hubert, que dita as regras do politicamente correcto e aceitável naquele contexto.

   Lily leva uma existência algo monótona, focada na sua pequena irmã kiki, à qual cuida como se de de uma filha se tratasse, deixando no ar uma ambiguidade quanto à ligação familiar de ambas. A grande confidente de Lily é a sua tia Julie Van der Wahl, uma socialite arrojada, que se notabilizou por alimentar as colunas de escândalos, tendo-se divorciado do Advogado Peter Van der Wahl, e vivendo cada dia intensamente, numa atitude carpe diem e sem dar oportunidade de qualquer interferência no seu modo de vida bastante independente, sendo uma personagem bastante forte e com a qual facilmente empatizamos, por ser bastante directa e frontal na sua abordagem à evidente hipocrisia do meio onde se move.

   Curiosamente, apesar de se ir denotando que algo não ficou totalmente resolvido na relação entre Nick e Lily, estes convivem socialmente e de forma próxima, perante o regresso de Nick e Budgie a Rhode Island, mas é nítido que Budgie é uma mulher bastante instável, fútil e manipuladora, que irá mesmo arrastar a ingénua Lily para uma relação amorosa com Graham Pendleton, um jogador de Basebol que fazia também parte do seu grupo de amigos dos tempos de estudantes.

  Nick é um homem íntegro, honesto, assume compromissos morais, ainda que com tal atitude deixe de ir atrás do que realmente deseja para si mesmo, e para a sua felicidade.

   A pouco e pouco, o leitor vai assistindo ao desenrolar da trama, com diversos segredos e peripécias que se encontram envoltos em suspense, tornando a leitura do livro verdadeiramente compulsiva, numa ânsia em crescendo de desvendar os mistérios que envolvem a vida dos nossos protagonistas.

   A narrativa vai alternando o passado recente [1931] e o presente [1938], dando-nos a perspectiva da evolução das personagens, até ao desenlace final, marcado por momentos de elevadíssima tensão psicológica.

   Incrivelmente romântico, intenso e com um ritmo bastante acelerado, esta obra literária traça-nos um retrato da alta sociedade norte-americana dos anos 30, ainda no rescaldo da crise de 1929, que deixou um amargo rasto de mudança numa prosperidade que tinha algo de muito ilusório, como a história mundial viria a demonstrar, pelo que encontramos a junção perfeita entre ficção e contexto histórico e social, que  se revela verdadeiramente fascinante para os leitores de romances históricos.


   

   

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

[Renda & Saltos Altos] "Um Marquês Irresistível", de Sarah MacLean [TopSeller]

Ficha Técnica:


Título: Um Marquês Irresistível


Autora: Sarah MacLean


Editora: Topseller [Grupo 20/20]


Edição: Julho de 2015


Nº de Páginas: 352


Género: Romance de Época/Sensual/Histórico


Classificação Atribuída no GR: 4/5 estrelas


Saiba mais detalhes sobre a obra AQUI


 Crítica por Isabel Alexandra Almeida para o Blog Os Livros Nossos:

Um Marquês Irresistível, de Sarah MacLean corresponde ao primeiro romance de uma série composta por quatro títulos e que podemos traduzir por # 1 As regras dos Canalhas.

O primeiro livro foi o vencedor do prémio RITA para o melhor romance histórico de 2013, o que, desde logo, abona a seu favor.

A acção decorre no Século XIX em Londres, referindo-se a eventos decorridos entre 1821 e 1831, e sendo protagonistas Lady Penelope Marbury, que acaba por contrair casamento com Michael  Lawler, o Marquês de Bourne, um aristocrata caído em desgraça quando, aos vinte e um anos perdeu ao jogo as terras que eram herança da família, tendo sido ludibriado por um vizinho mal intencionado e perverso - o Visconde de Lanford, pai de um dos amigos de Infância de Michael - Thomas Alles.

Vendo-se despojado da sua riqueza, e afastando-se dos amigos - Penelope e Thomas - dez anos depois Michael, motivado por um firme desejo de vingança, usa o reencontro inadvertido com Lady Penelope Marbury, uma das cinco filhas do Marquês de Needham, a qual foi vítima de um escandalo que ainda é sussurrado pelos salões da alta sociedade Londrina - ao ter sido rejeitada pelo noivo - O Marquês de Leigthon, que estava apaixonado por outra mulher, com a qual viria a casar-se.

Tendo passado a infância juntos, os três jovens aristocratas virão os seus destinos separar-se, mas os caminhos de todos eles voltarão a cruzar-se, e irão implicar decisões arriscadas, e o repensar de valores como a amizade e a lealdade e de sentimentos como o amor fraterno e o amor romântico.

Decidido a vingar-se de Lorde Langford, Michael não hesita em aproveitar-se de alguma impetuosidade de Penelope para casar com esta, e poder assim recuperar as terras do seu marquesado, que curiosamente integram o dote da jovem, como chamariz usado pelo pai da rapariga para motivar um casamento com a aristocrata envolvida num escândalo social e que é conhecida por recusar pretendentes.

Por sua vez, o trajecto pessoal de Michael é bastante interessante, na medida em que vive afastado da alta sociedade mas é um homem extremamente rico e poderoso, sendo um dos quatro proprietários do mais famoso clube de Jogo da Cidade de Londres - cujo nome é Anjo Caído, não tendo escrúpulos em usar em seu benefício os mais recônditos segredos da nobreza local, e ganhando para si os bens que muitos jogadores viciados apostam de forma temerária e irresponsável.

Penelope vai afirmar-se com uma mulher decidida e aventureira, sabe o que quer e sonha ainda ter a oportunidade de viver um casamento por amor, desejando que Michael possa escolher construir uma vida a dois de forma salutar e equilibrada, desistindo da temível vingança que iria também destruir a felicidade conjugal que ambos podem alcançar.

A pouco e pouco vamos desvendando o mundo interno das personagens, e no início de cada capítulo vamos lendo as cartas que Penelope escrevia a Michael, quando ele se afastou, primeiro para estudar e depois por haver caído em desgraça, sendo que as cartas finais não foram enviadas, mas foram para Lady Penelope uma forma de expressar os sentimentos e de exorcizar a dor da perda de contacto com o rapaz pelo qual, afinal, sempre sentiu algo muito especial.

Será Michael capaz de assumir socialmente o papel de Marquês, de aceitar o amor de Penelope e de recusar ceder ao seu plano de vingança que será capaz de destruir toda a hipótese de uma vida feliz e estável? Serão Penelope e Michael capazes de assumir que é correspondido o forte desejo e o amor que os une?

Com personagens fortes, um trama intrincada com base em segredos do passado, e uma teia de vingança urdida durante um longo período de tempo, além do fascinante mundo de pecado e vício que se esconde por detrás das quatro paredes do restrito Clube de Jogo "Anjo Caído", este romance e esta série têm todos os condimentos julgados necessários para agarrar as leitoras que sejam adeptas de romances de época, não deixando de contemplar também tórridas cenas de amor entre os protagonistas.

Uma aposta segura da Topseller, cuja leitura recomendamos, aguardando com expectativa os episódios seguintes da trama.


domingo, 23 de agosto de 2015

[Thriller] " O Espião Português", de Nuno Nepomuceno [TopBooks]

Ficha Técnica:


Título: O Espião Português [Freelancer - livro I]


Autor: Nuno Nepomuceno


Editora: Top Books


Nº de Páginas: 376


Género: Thriller/espionagem


Classificação Atribuída no GR: 5/5 Estrelas


Visite a Página Oficial do Autor AQUI



Crítica por Isabel Alexandra Almeida para o blog Os Livros Nossos:

   O Espião Português é o primeiro romance da trilogia  "Freelancer" do género Thriller e romance de espionagem do autor Português Nuno Nepomuceno, tendo sido inicialmente publicado em 2012, e sendo o romance vencedor do prémio Note ! 2012, veio a ser republicado este ano sob chancela da TopBooks, encontrando-se, entretanto, já publicado o segundo volume da trama A Espia do Oriente, que rapidamente alcançou os tops de vendas nacionais. 

   Este romance de espionagem apresenta-nos um protagonista muito marcante, o encantador, corajoso e sensível André Marques-Smith, um jovem bastante promissor que, sendo formado em Relações Internacionais e filho de diplomatas - Silvia [Portuguesa] e Armand [Francês] exerce as funções de director do Gabinete de Informação e Imprensa do Ministério dos Negócios Estrangeiros  Português, sendo o funcionário de maior confiança do Ministro João Santos Ferreira.

   Todavia, André esconde muitos segredos e tem uma vida dupla, sendo também um agente secreto bastante requisitado, ao trabalhar sob as ordens da CADMO ( uma agência internacional que se dedica a missões altamente secretas), estando a criação deste organismo ligado indelevelmente à história familiar de André.

  Na companhia de outros agentes operacionais, André que comunica com os colegas sob o nome de código Freelancer (que dá o nome à trilogia literária), e vai intercalando as missões secretas muito arriscadas, com as suas funções de assessor próximo do MNE Português, contando com o apoio de colegas como a Britânica Monique (Ice Lady), o Francês Anssi ( White), a Sueca Marie (Blue Swan), e contando com a feroz oposição de uma agência que se dedica a empregar mercenários, com ligações obscuras à Máfia Russa e ao mundo do crime em geral - a Dark Star, onde colabora a sensual e fria China Girl, uma intrépida agente que se cruzará com André nunca pelas melhores razões.

  Percorrendo os cenários de sonho de grandes capitais mundiais, em conferências internacionais, eventos diplomáticos, ou em missões da CADMO em cenas cheias de acção, violência e astúcia, é muito interessante encontrar em André, numa outra vertente, um jovem que considera bastante importantes valores como a família, a amizade, e que sonha encontrar a estabilidade afectiva. André vive na zona de Torres Vedras numa casa demasiado grande e dispendiosa, na companhia do seu fiel cão, o labrador Kimi, e convive com a família, que adora, a mãe Sílvia, o pai Armand, e a irmã mais nova Sara, da qual assume ostensivamente o clássico papel de irmão mais velho que a protege talvez até de forma algo paternalista. 

   Do seu círculo mais próximo fazem ainda parte o melhor amigo - Diogo, e começa a recuperar a amizade com Marta (uma amiga da juventude de quem se afastara por ter sido próxima de Mariana, uma ex-namorada) tornando-se mais próximo desta e do namorado Rafael, que se encontram prestes a casar.

  O leitor acaba por vivenciar com André a permanente expectativa de poder ser desmascarado, além de estarmos muitas vezes em cuidados perante o elevado risco físico e mesmo de vida que o nosso herói enfrenta. Há uma fragilidade emocional em André, que este não deixa interferir na qualidade das suas missões que tem tudo para agradar ao público feminino, e que fará suspirar leitoras pelo nosso protagonista, ao passo que a acção prenderá leitores de ambos os sexos, o que confere também um carácter bastante inovador a este tipo de narrativa, onde muitas vezes os espiões não são emotivos.

   Adorei ! Uma prosa escrita revelando  Ritmo trepidante, cenas de acção verdadeiramente cinematográficas, cenários de sonho, coragem, risco constante, uma vida dupla na qual encontramos duas vertentes - um agente secreto perspicaz e bem sucedido, e por outro lado, um homem sensível, humano com fragilidades, vitórias e derrotas, e que procura encontrar a estabilidade afectiva que lhe viu ser negada, quando julgava estar no caminho certo. Muitas surpresas e twists ao virar de cada página, e ainda dando-nos a conhecer ou a revisitar locais fascinantes da Europa! 

  Está de parabéns o autor Nuno Nepomuceno! E depois desta leitura, uma viagem a Viena entrou para a minha Wishlist de sonho!

  Gostaria também de agradecer ao Nuno Nepomuceno a simpatia de me haver oferecido este livro e o seguinte livro da série, com autografo personalizado !




terça-feira, 18 de agosto de 2015

[Renda & Saltos Altos] "Mais do que sedução", de Cheryl Holt [Quinta Essência]

Ficha Técnica:


Título: Mais do que Sedução


Autora: Cheryl Holt


Tradução: Paulo Moreira


Edição: Agosto de 2015


Editora: Quinta Essência [Grupo LeYa]


Nº de Páginas: 368

P.V.P.:15,90€

Género: Romance Histórico Sensual/Romance de época

Classificação GR atribuída: 4/5 estrelas

Saiba mais sobre esta obra AQUI


Crítica por Isabel Alexandra Almeida para o Blog Os Livros Nossos:


   Mais do Que Sedução, é o mimo deste verão para as inúmeras fãs de Cheryl Holt, entre as quais se encontra assumidamente a autora destas linhas.

  As personagens centrais deste romance com cenário no período histórico britânico denominado Regência são:  Stephen Chamberlin, militar e herói de guerra, filho do Conde de Bristol, libertino e sedutor, mostra-se muito debilitado após a guerra, tendo mesmo dificuldades de locomoção e  Anne Paxton Smythe, uma mulher trabalhadora e independente, que recuperou umas antigas termas romanas perto de Bath, e mantém um negócio de banhos terapêuticos, onde ajuda a recuperar inválidos e doentes, e onde também conta entre os seus clientes com diversas damas da alta sociedade britânica que ali se libertam de tabus, e usufruem do apetecível espaço termal.

   Anne é praticamente forçada por Lady Eleanor Chamberlin a cuidar de Stephen, já que Eleanor Sensibilizada com a saúde frágil do irmão, acredita que as águas do Empório de banhos de Anne Smythe  possam ajudar o irmão a recuperar, pelo menos em parte, alguma qualidade de vida.

   E assim estão lançados os dados para que Stephen e Anne se encontrem, se tornem próximos a um nível que será bastante íntimo, lutando ambos com a ideia de que tal breve felicidade terá os dias contados, pois são de diferentes mundos ao nível social, e Stephen, não sendo o filho varão mais velho está dependente da vontade do pai, para assegurar a sua subsistência.

  É inegável a envolvência e a natural evolução da relação entre Stephen e Anne, que ultrapassa a componente física, implicando uma romântica carga emocional, mas estão ambos à altura do desafio de enfrentar a dureza do julgamento social ao assumirem ambos uma relação? E como resolver um problema adicional - Lady Felicity - a noiva de Stephen que este deixara para trás apenas para ir combater em defesa do seu país? E que dizer da pérfida Lady Camilla, antiga amante de Stephen que pretende reivindicar as cumplicidades que ambos partilharam em tempos?

  São de rara beleza as cenas sensuais entre o casal protagonista, descritas com a habitual elegância da prosa de Cheryl Holt, e decorrendo num cenário muito diverso do usual neste tipo de romances, uma fonte termal com propriedades terapêuticas e quiça até mesmo afrodisíacas!

  Com elevada tensão emocional, momentos de acção e perigo que conferem um ritmo mais acelerado ao terço final da narrativa, e o bónus de um casal secundário não menos interessante - Lady Eleanor e Charles - amigo e colega de armas de Stephen - que terão de aprender a vencer resistências decorrentes da diversa origem social de ambos, e que trazem consigo feridas do passado para sarar.

  É, pois, uma história com romance, paixão, sensualidade intensa, e um cenário refrescante, ideal para ler neste verão, o Empório de Banhos de Anne Smythe, capaz de operar verdadeiros milagres. É também uma história em que as personagens amadurecem, provam ser resilientes e aprendem a superar divergências e obstáculos que poderiam limitar o caminho em direcção à felicidade.

  Uma leitura que agradará aos fãs da autora, e que poderá valer-lhe novos seguidores !




segunda-feira, 17 de agosto de 2015

[Renda & Saltos Altos] "Sedução de Seda", de Loretta Chase [Chá das Cinco-Saída de Emergência]

Ficha Técnica:


Título: Sedução de Seda [Dressmakers #1]


Autora: Loretta Chase


Edição: 07/08/2015


Editora: Chá das Cinco [Grupo Saída de Emergência]


Nº de Páginas: 320


P.V.P.:15,98 [com 10% desconto]


Género: Histórico sensual


Saiba mais detalhes sobre a obra AQUI

Crítica por Isabel Alexandra Almeida para o blog Os Livros Nossos:


Sedução de Seda, de Loretta Chase é um romance histórico, ou de época, que dá início a uma nova série denominada The Dressmakers (as modistas, numa tradução livre), onde somos apresentados às três irmãs Noiret - Marcelline, Sophia e Leonie - que são as orgulhosas proprietárias do atelier de costura Maison Noiret, e têm a ambição de conquistar as clientes da alta sociedade Londrina em 1835, contribuindo para a elevação dos padrões de elegância das senhoras mais distintas do ton.

Gervaise Angier, o 7º Duque de Clevedon encontra-se a passar um período de três anos na bela cidade de Paris, com o intuito de se procurar a si mesmo, e também para usufruir de liberdade, escusando-se temporariamente do jugo do seu tutor  - o rígido Marquês de Warford - pai do seu melhor amigo - Lorde Longmore e da noiva que lhe está prometida desde muito jovem, Lady Clara Fairfax.

A pretexto de conquistar a futura Duquesa de Clevedon como uma cliente chave da maison Noiret, Marcelline viaja para Paris, arquitectando um plano para conhecer o noivo de Lady Clara, uma jovem bonita, mas cujos trajes deixam muito a desejar, em termos de estilo e de bom gosto.

Mas os caminhos de Marcelline e de Clevedon irão continuar a cruzar-se, mesmo após a travessia algo atribulada do canal da Mancha, quando ambos regressam a Londres.

Marcelline Noiret é astuta, ambiciosa, ousada, e senhora do seu nariz, e acredita ser imune às emoções, coloca a carreira como modista acima de tudo, como forma de obter o sustento da sua família, que inclui as suas duas irmãs e Lucie Cordelia a sua pequena filha. Noiret esconde-se atrás de uma armadura de frieza, a qual não é mais do que um mecanismo de defesa que, em termos psicológicos, lhe permite gerir a forma como a sociedade bastante hipócrita do século XIX olha para os comerciantes e artistas, como membros de uma classe inferior.

Em nome do sucesso e da sobrevivência, Marcelline aceita ser tratada de forma caprichosa pelas senhoras que aceitam ser suas clientes.

Clevedon é um homem teimoso,  impetuoso, inteligente e que gosta de desafiar as normas instituídas, mas que, com marcada ambivalência, sente o dever moral de cumprir normas impostas socialmente, pretendendo honrar os seus compromissos para com Lady Clara, a qual vê mais como uma sincera amiga de infância, quase como irmã, do que como futura noiva. 

Muitas peripécias, perigos e decisões esperam os nossos protagonistas, mantendo a narrativa um ritmo bastante rápido e envolvente, e levando a uma leitura bastante fácil e apelativa.

Todas as personagens vão evoluindo ao nível psicológico, com especial destaque para os protagonistas e para Lady Clara, que irá amadurecer e conquistar a sua própria identidade e afirmação enquanto jovem mulher com opinião e vontade próprias.

Com toques de humor, e com uma inegável química sexual entre Marcelline e Clevedon, é um romance que também tem uma particularidade muito interessante, o facto de conter, no início de cada capítulo, uma citação sobre moda do século XIX.

 Aliás, a própria trama vai contendo diversas referências a estilos, tecidos, peças de vestuário, assim como descrições bastante ricas e apelativas das criações de Marcelline, sem esquecer a competição e a intriga próprias dos bastidores da moda, em peripécias que farão render as leitoras mais sensíveis à moda.

  Com esta leitura, na qual depositei elevadas expectativas que se mostram totalmente satisfeitas, senti-me transportada no tempo, às grandes maisons de couture do século XIX, em Londres, e fechando os olhos, podemos imaginar-nos a envergar um dos belos vestidos de Marcelline.

 Suspense, sedução, astúcia, teimosia e uma deliciosa história que recorda a importância da moda na demonstração das atitudes femininas. Uma heroína intrépida e um herói que ousa, também ele, desafiar convenções da alta sociedade britânica do século XIX. um dos melhores livros que li este ano, dentro do respectivo género de romance de época com toque sensual !










segunda-feira, 3 de agosto de 2015

[Renda & Saltos Altos] "De Joelhos - A Vingança 1 "- de Malenka Ramos [Planeta]

 Ficha Técnica:


Título: De Joelhos [ #Vingança 1]


Autora: Malenka Ramos


Editora: Planeta


Edição: Julho de 2015


Páginas:  352


P.V.P.: 18,85€


Género: Literatura erótica


Classificação atribuída no GR: 4/5 estrelas



Crítica por Isabel Alexandra Almeida para o Blog Os Livros Nossos:



De Joelhos, da autora Malenka Ramos, é o primeiro volume de uma trilogia erótica rodeada de bastante polémica, tratando-se, sem dúvida, de uma história daquelas que ou se ama ou se odeia, mas a que certamente não ficamos indiferentes.

 O protagonista masculino - Dominic Romano, é um advogado e empresário muito bem sucedido, com fama de implacável nos negócios, mas cuja vida privada fica, precisamente, no domínio privado, por vontade do mesmo. É atraente, obsessivo, determinado, capaz de atitudes extremadas e transporta consigo uma história pessoal que ditou o seu percurso de vida. Dominic era, na infância e adolescência, o miúdo que todos na escola ignoravam, hostilizavam ou humilhavam. 

 Samara é uma jovem executiva bem sucedida, independente, e que é surpreendida pelo reencontro com  Dominic, que era apaixonado por ela na adolescência, mas nunca havia sido correspondido, antes sendo desprezado.

 Numa abordagem inicial que pode ser considerada intrusiva, pouco ortodoxa e mesmo violenta, Dominic reencontra a mulher que sempre o fascinou, e pela qual é ainda totalmente obcecado, e dispõe-se a vingar-se de Samara, mostrando-lhe que o amor e o ódio, assim como o prazer a dor podem ter a separá-los fronteiras muito ténues, ou podem mesmo chegar a misturar-se.

  Vivendo uma sexualidade nada convencional, Dominic propõe a Samara que esta entre com ele num mundo alternativo de relacionamentos de natureza BDSM, acompanhando-o a uma propriedade recatada, escondida no meio de uma região montanhosa, denominada simbolicamente de "Quimera", onde Dominic passa alguns períodos na companhia de Antón, o anfitrião que considera todos os membros do grupo como seus filhos; a filha deste Catinca [uma mulher livre], Roberto, um homem de porte e maneiras aristocráticas que mantém uma relação com duas mulheres que aceitam assumir o papel de suas escravas sexuais - Yelina e Xiamara, e o Irónico , provocador e nada convencional Carlo, que mantém como escrava Meredit. Personagem também interessante é Luís, o melhor amigo de Dominic.

Além de conter diversas descrições bastante explícitas de natureza sexual, este romance suscita polémica pelo facto de, muitas dessas situações estarem envolvidas em contexto de forte violência aos níveis físico e psicológico, levando o leitor a questionar se tal tipo de situação é legítima ou mesmo aceitável, e desafiando os seus próprios limites de tolerância em relação à leitura desta narrativa bastante intensa, e que desce às profundezas do que de mais primitivo poderá esconder-se na natureza humana.

  Quem me segue, sabe que sou leitora bastante assídua do género erótico, mas este livro é realmente diferente de tudo o que já havia lido antes, e fez-me pensar, digerir e processar a informação inerente à história, indo para além das descrições mais gráficas, e pensando nas implicações ao nível psicológico - mais do que a violência [que surge mais óbvia aos olhos do leitor] penso que a trama de relacionamentos entre as personagens tem a ver com poder, com controlo e com  auto-determinação, e isto é válido tanto para quem assume o papel de dominador [por exemplo, Dominic], como para quem seja o lado mais frágil da relação [por exemplo Samara]. Dominic quer dominar a relação com Samara, quer dominar as suas emoções e a da companheira num desejo obsessivo [esse sim algo patológico] de se vingar de ter sido vítima de bullying no passado; mas Samara controla a todo o momento a sua permanência no sistema  relacional alternativo que lhe é apresentado, e luta consigo mesma, mas acaba por ceder e ficar, mesmo que vivencie auto-recriminações.

Não é uma leitura fácil não pode nem deve ser feita com ligeireza, mas é um livro muitíssimo bem escrito, com forte carga psicológica e que faz pensar, tendo ainda a vantagem de um enredo muito bem construído e de uns twists surpreendentes e que lançam toda uma nova luz sobre a história inicial.

 Surpreendente, ousado e capaz de nos deixar totalmente perplexos! Impróprio para cardíacos! Deste lado espera-se ansiosamente pelos restantes títulos da trilogia.



terça-feira, 14 de julho de 2015

[Fantástico] "O Príncipe", de Sylvain Reynard [Saída de Emergência]

Ficha Técnica:


Título: O Príncipe


Autor: Sylvain Reynard


Chancela: Saída de Emergência


Saga/Série:Noites de Florença


Nº de Páginas: 160


Encadernação: Livro de Bolso


Género: Fantástico


Classificação GoodReads atribuída pelo Blog: 4/5 estrelas


Crítica por Isabel Alexandra Almeida para o Blog Os Livros Nossos:


   O Príncipe, de Sylvain Reynard, é um pequeno livro integrado na série Noites de Florença, que por sua vez, é um Spin Off da série O Inferno de Gabriel.

   Aqui estamos perante uma pequena novella que funciona como prequela à série, mas que poderá constituir também uma leitura apelativa e capaz de convencer os leitores estreantes a desvendar a escrita deste autor, com o seu estilo muito próprio, conjugando história, literatura, e dando especial destaque à belíssima cidade Italiana de Florença, berço do Renascimento.

   O foco central deste pequeno grande livro é, em especial, o percurso pessoal do Príncipe de Florença, um vampiro,senhor absoluto do submundo Florentino.

  Reencontramos o casal Emmerson, protagonista da série Inferno de Gabriel, mas o acento tónico vai, de facto para O Príncipe.

  Encontramos (ou reencontramos, consoante tenhamos ou não lido"Raven-Noites de Florença") um anti-herói forte, poderoso, com capacidades fora do comum que se atribuem à sua espécie sobrenatural, mas fica bem patente a sua atitude marcadamente ambivalente, e um cinismo e frieza que procuram camuflar uma vida longa de perdas acumuladas.

   É apelativa, e cheia de acção, mistério e um toque de erotismo, a trama deste livro, que nos deixa imersos entre as lutas de poder, a intriga política e os perigos do submundo, quase como se, por ali, o tempo tivesse parado noutros séculos, nestes aspectos.

   Mais uma vez, encontramos um protagonista fascinante, com uma pesada carga emotiva, um vazio emocional que parece esconder algo que queremos muito desvendar. E quase fundida com o Príncipe, de uma forma visceral, encontramos a sua amada Cidade de Florença, também ela bela, fascinante e poderosa, capaz de exercer sobre nós um estranho poder encantatório e uma vontade de a revisitar, sendo o Príncipe capaz de nos causar o mesmo efeito. 

  Florença tem um submundo onde gostaríamos de habitar!

  O único defeito desta obra é deixar-nos ainda mais ansiosos pela continuidade da narrativa, adoro o cenário [Florença é, "apenas", a minha cidade preferida de todo o sempre], a história, e sou fã incondicional deste anti-herói sobrenatural, tão poderoso mas tão frágil em tantos aspectos, que é o Príncipe de Florença, acho perfeita a combinação de força e fraqueza nesta personagem marcante, e capaz de fazer suspirar muitos corações, em ambos os mundos.

Viciante, poderosa, emotiva cativante. Recomendamos sem hesitação.

Leia também a nossa crítica a Raven - Noites de Florença.