segunda-feira, 18 de julho de 2016

[Renda & Saltos Altos] " Um Anjo Caído", de Sarah MacLean [Topseller]


Ficha Técnica:


TítuloUm Anjo Caído


Autora: Sarah MacLean


Colecção/Série: Sarah MacLean


Edição: Julho de 2016


Editora: Topseller


Nº de Páginas: 384


Género: Romance Histórico/Sensual


Classificação Atribuída no GoodReads: 5/5 estrelas


Crítica por Isabel Alexandra Almeida para o Blog Os Livros Nossos:


Um Anjo Caído, de Sarah MacLean é o romance que põe fim à série "The Rules of Scoundrels", que poderemos traduzir por "os quatro canalhas".

A acção decorre na Londres do Século XIX, entre 1823 e 1843, girando à volta do clube "O Anjo Caído", um verdadeiro antro de vício e pecado onde muitos membros da aristocracia Londrina dão expressão aos seus impulsos menos nobres, apostando, muitas vezes, o seu estatuto social, a vida e a fortuna das suas famílias que ficam submetidas ao duro jugo de jogos de fortuna e azar e à pressão dos impiedosos proprietários do clube - Bourne,  Cross, Temple  e Chase, também eles aristocratas um dia caídos em desgraça perante a rígida sociedade da época.

Os protagonistas são Lady Georgiana Pearson, a irmã de um Duque que ousou perder o que de mais valioso tinha perante a sua classe social - a sua boa reputação - ao ter sido mãe solteira ainda muito jovem, tendo sido afastada dos salões e do direito a construir uma vida considerada decente e aceitável.

Georgiana esconde um poderoso segredo, é ela o misterioso e temido Chase, o mais duro dos quatro sócios do Clube "O Anjo Caído", sendo sabedora de tudo o que de muito sórdido se esconde sob as aparências da exigente vida social da alta sociedade Londrina, e gerindo tal informação com mão de ferro.

Mas a possibilidade de a filha - Caroline - poder vir a ter uma vida aceitável em sociedade, sendo fruto de uma relação considerada imoral e bastarda, leva Georgiana a debater-se entre os dois mundos, aquele que é o seu - o submundo do jogo, da chantagem e da traição - e aquele onde nasceu, a sociedade formada pelas melhores famílias aristocráticas de Londres. 

Determinada, inteligente e orgulhosa, Georgiana considera estar à altura do desafio de conseguir manter o equilíbrio entre as duas vertentes opostas da sua vida, mas um atraente e perspicaz jornalista - Duncan West - vai ficar particularmente atento aos movimentos e aos encantos da dama, e pode colocar em perigo o sucesso dos planos da jovem.

Num verdadeiro jogo do gato e do rato, com peripécias dotadas de tensão, intriga, planos de vingança, forte crítica social e aparentes becos sem saída, algo bastante mais profundo do que uma mera atracção física vai surgindo naturalmente entre Georgiana e West, sendo curioso notar que ambos vão também alternando entre si os papeis de vítima e predador, numa deliciosa espiral de encontros e desencontros que agarram o leitor à história.

Emoção, razão, romantismo , sensualidade e um enredo muito apelativo pelo ritmo rápido e pelos constantes avanços e recuos na narrativa, proporcionam o final ideal para esta série em geral e para este livro em particular, com personagens que são inesquecíveis e pelas quais facilmente nos apaixonamos.

Verdadeiramente imperdível para os amantes do romance histórico sensual!





segunda-feira, 11 de julho de 2016

[Renda & Saltos Altos] "Prazer Absoluto", de Cheryl Holt [Quinta Essência]


Ficha Técnica:


Título: Prazer Absoluto


Autora: Cheryl Holt


Edição: 19 de Julho de 2016


Editora: Quinta Essência [Grupo LeYa]


Nº de Páginas: 400


Classificação atribuída no GoodReads: 5/5 estrelas


Género: Romance histórico sensual/erótico


Saiba mais detalhes sobre a obra AQUI


Crítica por Isabel Alexandra Almeida para o blog Os Livros Nossos:


Prazer Absoluto de Cheryl Holt é um romance com cenário no período histórico da Regência Inglesa, decorrendo a acção em Londres, no ano de 1812. Podemos integrar esta obra num género que, a nosso ver, já conquistou em definitivo o público leitor quer além fronteiras (de onde é originário) quer já em Portugal, e que poderemos apelidar de "Romance de Regência", e no âmbito deste género encontramos algumas especificidades e fórmulas de escrita que conseguem ser identificadas pelas leitoras e fãs assíduas do género (entre as quais nos encontramos de forma assumida).

Desta feita, e como é habitual no estilo e registos de escrita habitual desta autora, encontramos um romance histórico ( ou de época, se quisermos ser puristas, visto contextualizar aspectos importantes do ambiente social próprio da alta sociedade da Inglaterra do século XIX) com marcado pendor sensual ou erótico. Pela leitura das cenas de teor sexual entre os protagonistas da narrativa verificamos que não é por acaso que a autora é considerada "a rainha do romance sensual", sendo as mesmas bastante intensas, emotivas e plenas de sentido de crescente intimidade e descoberta mútua, onde não falta a componente emotiva a complementar o aspecto físico.

Quanto às personagens, estas podem ser consideradas tipo, dentro deste género de romance, na medida em que apresentam características que representam as classes sociais a que pertencem, e o cumprimento ou incumprimento dos apertados códigos do "social e moralmente correcto" do contexto histórico e espaço social onde se movem. 

Lady Elizabeth Harcourt  é aristocrata, filha do rígido e impiedoso Conde de Norwich, tem 27 anos (sendo portanto séria candidata a solteirona, com uma idade já então considerada avançada para não haver contraído casamento), e vem dedicando a sua vida à gestão doméstica da casa paterna, desde o falecimento da mãe. Elizabeth anulou-se como pessoa dedicando a sua existência à casa e ao apoio ao pai (um nobre com assento na Câmara dos Lordes, com prática política activa, e que nunca se preocupou em valorizar a filha, antes minando a sua auto-estima como forma de manipulação e domínio da sua pessoa). 

Todavia, desejando desesperadamente transmitir o título, Norwich casa com uma jovem de 17 anos - a insuportável, caprichosa, maldosa e, afinal, infeliz Charlotte. Imatura e sem conseguir assumir correctamente as responsabilidades que passam a caber-lhe enquanto Condessa, Charlotte irá fazer uma gestão desastrosa da mansão, dos criados (que são maltratados física e psicologicamente pela patroa) hostilizando ostensivamente a enteada Elizabeth (que encara como obstáculo ao poder que julga ter) bem como a governanta Mary, cuja família sempre serviu a casa de Norwich, tal como ela própria.

Gabriel Cristofore é descendente de nobres, mas o pai John é um aristocrata caído em desgraça e deserdado pela sua família, sendo Cristofore resultado de uma relação ilícita do pai com Serena, uma aristocrata Italiana que acabou tragicamente.

Cristofore é um homem atraente, sensual e extremamente dotado para a pintura. É um libertino, sedutor e oportunista, não hesitando em conquistar damas solitárias ou infelizes, a pretexto de serem retratadas em quadros, retirando destes relacionamentos contratuais e amorosos os proventos necessários ao seu sustento e do seu elegante pai, que por sua vez, se assume em público como secretário do filho, organizando os contratos com as clientes.

Numa noite de ópera Elizabeth conhece o sedutor, experiente  e astucioso Gabriel, e ambos irão envolver-se numa relação de cliente/pintor, tornando-se amantes, embora tenham noção de que a sua é uma relação destinada a ter um fim relativamente breve, pois nunca seria aceite pelo Conde de Norwich e pela sociedade em geral, já que acabam por pertencer a mundos totalmente diferentes.

Enquanto Gabriel começa a questionar-se sobre até onde vai o seu envolvimento e a sua obsessão para com a bela Lady Elizabeth, que inicia nas artes amorosas, o escândalo ameaça a reputação da jovem, e em breve podem ambos percorrer um caminho sem retorno em direcção à perdição.

Elizabeth arrisca tudo na sua relação com Gabriel, pois sente-se desejada, apreciada como mulher, e o que é pisar terreno pantanoso acaba por ser também para a jovem libertador. Descobre em si mesma uma mulher bela, sedutora, atrevida, que aprende a viver a sua sexualidade  sem barreiras, ao mesmo tempo que, mesmo sem querer, vai-se apaixonando por Cristofore.

No romance é muito interessante o detalhe de a arte surgir como forma de sublimação e expressão de instintos básicos, nomeadamente, ao nível da sexualidade. É ao posar para um quadro que Elizabeth faz a sua aprendizagem do amor físico, e é pela arte que Gabriel descobre em si emoções que pensava estarem fora do seu alcance.

Ambos irão lutar consigo mesmos, descobrindo em si algo que desconheciam existir, traçando-se um completo retrato psicológico e social dos protagonistas. E seremos ainda brindados com um belíssimo romance com alguns segredos, numa intriga secundária que confere à obra alguma complexidade que muito a enriquece.

Uma história bela, sensual, vibrante com alguns momentos de tensão dramática, e personagens que nos apaixonam pelas suas imperfeições e que são, afinal, humanas na sua essência. Este livro é, também, erotismo em estado puro, e entra para a nossa galeria de preferidos.


quinta-feira, 7 de julho de 2016

[New Adult] "O Pacto", de Elle Kennedy [Suma de Letras]


Ficha Técnica:

Título: O Pacto


Série: Off-Campus #1


Autora: Elle Kennedy


Editora: Suma de Letras


Edição: Abril de 2016


Nº de Páginas: 444


Classificação atribuída no GoodReads: 5/5 estrelas


Género: New Adult/Contemporâneo


Crítica por Vanessa Martins para o Blog Os Livros Nossos:


O Pacto, [romance do género New Adult] da autora Elle Kennedy dá início à série Off-Campus, editada em Portugal pela Suma de Letras.

 Este livro deixou-me tão, mas tão viciada que o devorei em dois dias, e até cheguei a arrepender-me de o ter deixado tanto tempo na estante à espera de ser lido, se for este o vosso caso, vão a correr ler este romance, porque vale a pena, ouçam o conselho de uma amiga!

É um livro muito fácil de ler, que nos agarra da primeira à última página.

Hannah Wells é uma rapariga gira, confiante, trabalhadora e é estudante na Universidade de Briar, onde se está a especializar na área da música. Um dos mistérios daquela universidade é Justin Kohl, recém-chegado na qualidade de estudante e de estudante de futebol, não há rumores acerca do "rapaz popular".

Garrett Graham é um rapaz atraente e muito popular, também ele estudante universitário em Briar, sonha tornar-se jogador profissional de Hóquei.

 Durante uma aula de Ética, disciplina onde a maioria dos alunos tira notas muito baixas, Garrett confronta-se com um mau resultado na avaliação, e com o risco de não poder entrar no próximo jogo, caso não passe no exame de recuperação, começa a ver a sua vida a andar para trás. Na mesma aula, Hannah foi a única aluna a tirar a nota máxima no exame (tendo tido vinte valores, parece-nos que estamos perante a perfeita aluna "marrona").

  Reparando na nota que a colega teve no exame, Garrett decide juntar o útil ao agradável, pedindo à rapariga que lhe dê explicações e que o ajude a passar no exame de recuperação (não seria tão grande sacrifício, pois Garrett acha a colega muito atraente), pedido que esta prontamente recusa, pois acha Garrett muito arrogante e sem nada dentro da cabeça.

 Bem sucedida em vários aspectos, Hannah é bastante receosa quanto a tudo o que envolva relacionamentos amorosos e sexo, mas encontra-se secretamente apaixonada pelo distante Justin Kohl.

  Garrett irá propor um plano que ajude ambos a conseguir os seus intentos, ou seja, em troca de ajudar Hannah a conquistar o seu amado, esta ajudará Garrett a passar no exame e a garantir a sua permanência na equipa de Hóquei, da qual é capitão.

  Mas o destino prepara-se para interferir, e Garrett e a Hannah acabam por se beijar, a ligação evolui e o descontraído e popular capitão da equipa de Hóquei começa a sentir algo mais do que mera atracção física pela menina certinha da turma, apenas terá de se dedicar à difícil tarefa de conquistar a arisca Hannah.

  Com personagens realistas, de forte personalidade, muitas gargalhadas e cenas sensuais bastante intensas, só conseguimos parar de ler quando chegamos ao fim. Esta série tem lugar reservado na minha estante!





quarta-feira, 6 de julho de 2016

[Renda & Saltos Altos] "Simplesmente Nua", de Raine Miller [Topseller]


Ficha Técnica:


Título: Simplesmente Nua


Série: O Caso Blackstone #1


Autora: Raine Miller


Editora: Topseller [Grupo 20/20]


Edição: Fevereiro de 2016


Nº de Páginas: 208


P.V.P.: 15,49€


Género: Romance erótico contemporâneo


Classificação Atribuída no GoodReads: 4/5 estrelas


Crítica por Isabel Alexandra Almeida para o Blog Os Livros Nossos:


Simplesmente Nua é o romance que dá início à série erótica " O Caso Blackstone", editada em Portugal pela Topseller,

Brynne  Bennet, uma Americana que estuda em Londres, trabalha como modelo fotográfico de nus artísticos, para aumentar os seus rendimentos.

Casualmente, o milionário Inglês Etan Blackstone, líder de uma empresa responsável pela segurança de estrelas e altas individualidades da política, deixa-se encantar por uma foto de Brynne, fica obcecado e decide seduzir a jovem.

Procurando fugir a um passado menos feliz, Brynne conta com o apoio do pai, ainda que à distância, e encontra uma importante base de apoio nos seus melhores amigos - o fotógrafo Benny e a amiga de ambos Gaby.

Ainda que se force a si mesma a vencer algumas resistências, Brynne deixa-se envolver na teia sde sedução lançada pelo atraente e protector Balckstone, ao passo que este vê nascer entre ambos uma relação que pode assumir contornos bem mais profundos do que apenas atracção física e a intensa química sexual que surgem naturalmente entre ambos.

Encontramos um casal protagonista que constrói uma relação bastante intensa, em que desafiam os limites que cada um deles estaria disposto a ultrapassar ao nível emocional.

Brynne descobrirá em si mesma uma mulher mais forte, mais segura de si mesma, aumenta a auto-estima e irá encontrar uma sensação de segurança e protecção que há muito não vivenciava num relacionamento amoroso. Também irá ganhar consciência de todo um potencial nunca antes explorado em termos de sexualidade e intimidade.

O livro é pródigo em escaldantes relatos de cariz ostensivamente explícito ao nível sexual, mas o leitor percebe que há muito ainda para desvendar quanto às personagens centrais, ficam em suspenso para os próximos títulos da série aspectos importantes da vida pessoal de ambos, bem como o perigo velado que parece pairar sobre Brynne.

No final desta leitura somos deixados na expectativa quanto a detalhes muito importantes da narrativa, o que,  se por um lado, nos deixa ansiosos, por outro lado, faz-nos querer saber rapidamente como será a evolução das personagens e da trama.

Intenso, com um rápido ritmo narrativo e a deixar-nos a desejar por mais, muito mais!





segunda-feira, 27 de junho de 2016

[Renda & Saltos Altos] "Sonho de Cetim", de Loretta Chase [ Edições Chá das Cinco]


Ficha Técnica

Título: Sonho de Cetim


Série: Trilogia das Modistas #2


Autora: Loretta Chase


Edição: Janeiro de 2016


Editora: Chá das Cinco [Grupo Saída de Emergência]


Nº de Páginas: 304


P.V.P.: 17,76€


Género: Romance histórico sensual


Saiba mais detalhes sobre a obra AQUI


Crítica  por Isabel Alexandra Almeida para o Blog Os Livros Nossos:


Sonho de Cetim, de Loretta Chase, corresponde ao segundo romance da denominada trilogia das modistas, que acompanha as peripécias das três irmãs Noirot, na Londres de 1835, no momento em que as famosas e sofisticadas Modistas da Maison Noirot tentam, a todo o custo, derrotar a concorrência da desonesta Hortense Downes, enquanto a alta sociedade ainda se refaz da ascensão da Duquesa de Clevedon.

Neste romance assume especial protagonismo Sophia, a mais astuciosa das irmãs Noirot, responsável por fazer chegar à imprensa da época, por meio de estratagemas e disfarces, a descrição completa das toilettes preparadas no atelier da família, extremamente inteligente, disposta a sacrificar a vida amorosa em prol do negócio de família.

Quando a melhor cliente da Maison Noirot - Lady Clara Fairfax - ex-noiva do Duque de Clevedon e irmã de Lorde Longmore foge de Londres para escapar à humilhação pública, ao sentir-se presa a um casamento votado ao fracasso, é Sophia que assume as rédeas da situação e parte com Lorde Longmore em busca da jovem dama em fuga.

Lorde Longmore é um nobre libertino, tem fama de ser pouco inteligente, mas é antes alguém que procura abstrair-se de algumas regras sociais, e das pressões familiares impostas pela sua rígida e intrusiva mãe - Lady Warford, uma mulher que vive de aparências e do politicamente correcto, sofrendo perante a indisciplina dos filhos.

No meio de inúmeras aventuras verdadeiramente hilariantes, assistimos ao desenrolar da narrativa, e constatamos que começa a surgir entre Sophia e Longmore uma forte atracção que ambos procuram negar a si mesmos.  Esta possibilidade de romance assusta os protagonistas por razões diferentes, Sophia receia enfrentar a inimizade da mãe de Longmore, a autoritária e influente Lady Warford e o julgamento de toda a alta sociedade, ao passo que Longmore receia não saber descortinar o que é verdadeiro e o que é falso na astuciosa e bela Sophia, uma verdadeira rainha do disfarce.

Com um ritmo bastante rápido, um bom leque de personagens secundárias, muitas voltas e reviravoltas, e um perfeito exercício de sátira social, com personagens com as quais é impossível não se simpatizar, e que nos conquistam pelas suas muitas e deliciosas imperfeições, estamos perante uma leitura que irá cativar os adeptos deste género literário [romance histórico sensual], e que nos deixa com um permanente sorriso nos lábios, perante a comicidade de diversas peripécias da trama.






quinta-feira, 23 de junho de 2016

[Crítica Contemporânea] "Enrolados", de Emma Chase [Topseller]

Ficha Técnica:


Título: Enrolados


Autora: Emma Chase


Edição: Novembro de 2014


Editora: Topseller [Grupo 20/20]


Páginas: 224


Género: Romance contemporâneo






Crítica por Vanessa Martins para o Blog Os Livros Nossos:

Sabem meninas quando há um mal-entendido entre vocês e o vosso namorado? Pois bem, é o que se passa entre o Drew e a Kate, neste novo livro [ Enrolados] que a editora [Topseller] edita em Portugal, estes dois decidem que o “felizes para sempre” não é bem “para sempre”, mas sim “por alguns momentos”.

  Na verdade, eu estava toda empolgada com o “felizes para sempre” dos protagonistas, quando a Kate decide abandonar o seu emprego de sonho para voltar à sua cidade Natal - Greenville - e porquê???

Pois … o Sr. Drew Evans decidiu “meter o pé na poça” outra vez. Kate recebe a noticia mais feliz da sua vida e está doida para a partilhar com o Drew, quando chega a casa e vê a coisa mais horrível que uma pessoa pode esperar da sua cara-metade, desesperada com o que vê pega nas suas coisas e decide regressar ao seu aconchego familiar. Será que ainda haverá um final feliz ??

A Kate é a mulher de armas, aquela que gostávamos de ser quando o nosso namorado decide magoar-nos, por sua vez, o Drew é aquele tipo de homem que não tem papas na língua e diz tudo aquilo que pensa, mesmo que magoe as pessoas, mas também tem aquele lado amável através do qual revela ser capaz de dar a vida por aqueles que ama.

Dando uma nova volta na trama, a autora mantém o espírito bem-humorado da obra, e as personalidades bem vincadas de Kate e Drew continuam a alimentar a dinâmica da narrativa. É impossível não querermos saber o fim da história.

Sim, posso dizer estou apaixonada por estes dois, mas melhor ainda, a história não acaba aqui, pois o terceiro livro vai trazer-nos duas personagens que já conhecemos muito bem, e posso dizer que uma delas sempre me despertou a atenção desde o primeiro livro.







segunda-feira, 20 de junho de 2016

[Renda & Saltos Altos] "Promessa de Casamento", de Jennifer Probst [Quinta Essência]


            Ficha Técnica:

Título: Promessa de Casamento


Título Original: The Marriage Trap


Série: Marriage to a billionaire #2


Autora: Jennifer Probst


Edição: Junho de 2016


Editora: Quinta Essência [Grupo LeYa]


Páginas: 240


Género: romance contemporâneo/erótico


Classificação atribuída no GoodReads: 5/5 Estrelas


Crítica por Isabel Alexandra Almeida para o Blog Os Livros Nossos:


Promessa de Casamento, de Jennifer Probst, é o segundo romance da autora publicado em Portugal, com chancela Quinta Essência

Estamos perante um romance feminino contemporâneo com cenários entre Nova Iorque e Bérgamo (Itália).

A protagonista feminina é Maggie Ryan, uma bem sucedida fotógrafa habituada a trabalhar em campanhas publicitárias internacionais. Maggie foi criada numa família abastada, tendo vivido uma infância e adolescência sem ser objecto da atenção dos pais, que não foram figuras significativas no seu desenvolvimento e que descuidaram o mundo afectivo da filha. Maggie é uma mulher independente, determinada, mas que esconde algumas inseguranças no que diz respeito a relacionamentos afectivos, usando uma espécie de "armadura" que a protege de se envolver emocionalmente.

Ao frequentar o núcleo familiar e social do irmão Nick e da cunhada Alexa, Maggie trava conhecimento com um dos parceiros de negócio do irmão, o Conde Italiano Michael Conte, que a cunhada Alexa julga ser o par ideal para Maggie.

Michael Conte é um milionário Italiano, natural de Bérgamo, é oriundo de uma ortodoxa família Italiana, onde preservar antigos rituais e  regras sociais e familiares continua a ser muito importante. Assim, perante a tensão familiar que surge da prentensão da irmã mais nova - Venezia - em casar-se com o namorado Dominick, Michael é pressionado a casar-se primeiro, no sentido de fazer cumprir a tradição local de ser o filho primogénito o primeiro a contrair casamento.

Quase por impulso, de ambas as partes, Maggie vê-se arrastada para uma farsa familiar, cabendo-lhe o duro papel de fingir ser a mulher de Michael, para que Venezia possa então casar-se, e viajando com este para Itália.

Acreditando que Michael está apaixonado pela sua cunhada Alexa, Maggie aceita o desafio, em troca de este se afastar da convivência com o sócio Nick e a esposa Alexa, sem pretensões românticas e sendo apenas um bom amigo de Alexa, Michael aceita as condições em desespero de causa.

A partir daqui vamos assistindo a uma verdadeira luta de gigantes, é delicioso assistir ao constante desafio e às provocações que Maggie e Michael lançam constantemente um ao outro. 

A atracção física entre o falso casal vai aumentando, à medida que ambos se vêem a braços com o medo de ver descoberto o seu engodo, cujo propósito é, afinal, proteger e ajudar as respectivas famílias.

O romance apresenta, além de protagonistas fortes, uma excelente caracterização dos princípios e rituais de uma família tradicional Italiana, onde a gastronomia local e a sua confecção caseira assume particular relevância. Toda a teia de dinâmica familiar e os seus pequenos dramas mostra-se descrita de forma cativante, transportando-nos, de facto, para o seio da família Conte, sendo o negócio de pastelaria familiar - La Dolce Famiglia - uma belíssima metáfora de todo este ambiente familiar.

As personagens secundárias como Mama Conte, Venezia, Julietta e Carina, dão um importante contributo para o desenrolar da trama.

A química entre Michael e Maggie, a tensão sexual, e o quebrar de barreiras culturais e emocionais entre ambos é algo que foi sendo  construído de forma muito equilibrada pela autora, ao longo da obra, numa história que nos prende até à última página. Uma das leituras ideais para este Verão!





sábado, 18 de junho de 2016

[Secção Criminal] "As Raparigas Esquecidas", de Sara Blædel [Topseller]

               Ficha Técnica:


Título: As Raparigas Esquecidas

Título Original: De Glemte Piger

Autora: Sara Blæ
del

Edição: 20 de Junho de 2016

Editora: Topseller [Grupo 20/20]

Páginas: 304

P.V.P.: 17,69€ (IVA incluído)

Classificação Atribuída no GoodReads: 4/5 estrelas

Género: Thriller Nórdico


NAS LIVRARIAS A PARTIR DE 20/06/2016

Crítica por Isabel Alexandra Almeida para o Blog Os Livros Nossos:


As Raparigas Esquecidas  corresponde à chegada de uma nova autora do thriller nórdico a Portugal, sendo Sara Blædel considerada a "Rainha Dinamarquesa do Crime", a verdade é que este promete conquistar muitos leitores entre os adeptos deste género literário com especificidades que já o distinguem entre outros do mesmo segmento.

O livro transporta-nos a uma região da Dinamarca, onde vamos encontrar uma equipa de investigação a braços com um denso mistério que rodeia a identidade  de uma mulher que foi encontrada morta na Floresta.

Louise Rick é a investigadora que se encontra numa fase de transição profissional, sendo a recente directora técnica de uma nova unidade de investigação cujo trabalho será avaliado de perto pelas chefias, determinando-se a sua manutenção ou possível extinção - a Agência Especial de Busca. Eik Nordstrom ser+a o parceiro de investigação de Louise, a protagonista da trama. Com uma postura pessoal algo descuidada e nada regrada, Eik irá revelar-se um profissional extremamente determinado e competente, para espanto da colega que, para iniciar o trabalho de equipa, vê-se forçada a ir buscar Eik a um estabelecimento que mais parece um antro de perdição, imerso numa nuvem de fumo e de odores etílicos.

Cruzando-se com uma investigação de violação e homicídio na Floresta perto de onde Louise residiu na sua infância e adolescência, caberá a Eik e a Louise descobrir a identidade de uma mulher que aparece morta na floresta, perto do local do primeiro crime, mas que parece ter sido vítima de acidente. Ao ser publicada a foto da desconhecida um telefonema dará as primeiras pistas para a descoberta da verdade, e muitos segredos começam a vir à tona.

A autora apresenta-nos protagonistas fortes, determinados mas encontramos em Louise Rick uma pessoa que transporta consigo o duro peso de um passado perturbador que ainda não conseguiu ultrapassar, apesar de ser dedicada ao filho adoptivo Jonas (um jovem com talento musical) e de contar com o apoio de um simpático vizinho e da melhor amiga - Camilla - jornalista em vias de contrair casamento com um milionário Norte-Americano, uma mulher impulsiva que se debate com alguma ansiedade perante a ideia de deixar de trabalhar, sendo viciada na adrenalina de um bom furo jornalístico.

Eik é também uma personagem densa, há alguma aura de mistério à sua volta (e teremos direito a algumas revelações interessantes), mas tolera na perfeição algum mau humor de Louise, mostrando-se compreensivo perante a pressão em que ambos se vêem forçados a trabalhar.

Nota-se uma química de atracção entre os parceiros de investigação, o que vem conferir um colorido adicional à trama.

Está muito bem conseguida a descrição do tratamento cruel e discriminatório que era dispensado a pessoas portadoras de deficiência ou doença mental que eram totalmente retiradas da vida em sociedade e de família e presas em instituições com contornos, no mínimo, obscuros e sinistros, este contexto é plasmado pela autora no imaginária Eliselund, isto num passado não assim tão distante, que na narrativa se situa nos anos entre os anos 80 a 90.

A violência das descrições das cenas de crime e do modus operandi do assassino, a dúvida quanto à identidade deste que baralha o leitor ao longo de todo o livro até ao desenlace final. A crueza de algumas cenas e do próprio enredo satisfaz os leitores mais exigentes quanto a este género literário.

Uma história verosímil, cruel, narrada num ritmo trepidante e que concilia a investigação criminal com os dramas pessoais de forte pendor emocional dos protagonistas tem tudo para nos agarrar, e a verdade é que... será crime não ler este livro!


Nota: o Blog Os Livros Nossos agradece à Topseller a disponibilização de exemplar de avanço para a leitura e analise crítica desta obra.