segunda-feira, 18 de abril de 2016

[Crítica Contemporânea] "Vamos Comprar um Poeta", de Afonso Cruz [Caminho]

Ficha Técnica:


Título: Vamos Comprar um Poeta


Autor: Afonso Cruz


Editora: Caminho [Grupo Leya]


Edição: Março de 2016


Páginas: 104


Género: Juvenil/ficção contemporânea


Classificação atribuída no GoodReads: 5/5 Estrelas


[Sinopse]:

Numa sociedade imaginada, o materialismo controla todos os aspectos das vidas dos seus habitantes. Todas as pessoas têm números em vez de nomes, todos os alimentos são medidos com total exactidão e até os afectos são contabilizados ao grama. E, nesta sociedade, as famílias têm artistas em vez de animais de estimação. 
A protagonista desta história escolheu ter um poeta e um poeta não sai caro nem suja muito – como acontece com os pintores ou os escultores – mas pode transformar muita coisa. A vida desta menina nunca mais será igual...
Uma história sobre a importância da Poesia, da Criatividade e da Cultura nas nossas vidas, celebrando a beleza das ideias e das acções desinteressadas.


Crítica por Isabel Alexandra Almeida para o Blog Os Livros Nossos:

Vamos Comprar um Poeta é um surpreendente grande pequeno livro da autoria de Afonso Cruz. Porque os livros, tal como as pessoas, não se medem pela extensão, mas pela qualidade, pela essência, pela personalidade própria, pela originalidade e pela capacidade de nos tirar da zona de conforto e de nos abanar a alma, e é precisamente isto que este pequeno grande livro faz connosco.

A premissa inicial é, desde logo, interessante, numa sociedade em tempo indeterminado, algures no futuro, a narradora participante descreve-nos uma sociedade materialista onde tudo é visto de modo quantificado ou quantificável, até mesmo as emoções, e os nomes sujeitos são meras combinações de números onde o peso das dízimas diz algo sobre a preponderância social de cada indivíduo.

Numa elegante prosa plena de ironias e toques de humor, entramos na intimidade de uma família [ a da nossa narradora] constituída pela própria, pelos pais e pelo irmão, e iremos conhecê-los quando se predispõem  a comprar um Poeta, visto que não suja e é relativamente fácil de manter em casa para entretenimento da família, sem consequências de maior na rotina de cada um [assim pensam os membros desta família].

E o Poeta chega a instala-se, ou melhor dizendo, é instalado num espaço exíguo num vão de escada e irá revolucionar a vivência economicista, quantificada e limitada deste núcleo familiar.

A sociedade imaginária narrada neste livro tem algo de assustadoramente familiar...embora esteja caricaturada e levada ao extremo, perdeu valores culturais, menospreza o conhecimento, a criatividade o peso e a relevância da imaginação, sendo impensável e mal visto socialmente desenvolver uma actividade intelectual que se afaste do campo dos números, da economia, da lógica fria do lucro e dos ilusórios prosperidade e crescimento.

Com inúmeras referências culturais, que são depois esmiuçadas em notas no final da obra, este livro tem o condão de nos fazer rir de nós próprios e do mundo que estamos a construir, sendo um belíssimo exercício contemporâneo do lema ridendo castigat mores de Gil Vicente.

A ler, a reler, a coleccionar, a recomendar e a reflectir de quando em vez! Parabéns Afonso Cruz.







quinta-feira, 14 de abril de 2016

[Blog Tour] Caught Up In Raine, By LG O`Connor [Book Obsessed Chicks - Media Partnership]

BOOK #1 in the Caught Up In Love series (Romantic Women’s Fiction / New Adult)

AVAILABLE ON 18th APRIL 2016

Where to buy the book:




An unforgettable debut in romantic women’s fiction, Caught Up in RAINE captures the struggle of a woman who must reconcile guilt from her past with the promise of a future as her life intersects with a much younger man who offers her a second chance to get “caught up” in love on her road to redemption.
Two Hearts. One soul-shattering decision. 40s romance writer plagued by loss comes to rescue of troubled 20s male cover model.

“DON’T JUDGE A BOOK BY ITS COVER MODEL”

Forty-two and widowed, romance writer Jillian Grant believes hospitals equal death. Plagued by loss and convinced more is imminent when her aunt ends up in critical condition after heart surgery; she has come to equate the absence of pain with happiness. When she spots a hot, young landscaper working on the hospital grounds with an eerie resemblance to the male lead in her next novel, she convinces him to pose as her cover model.

Working multiple jobs to put himself through college, twenty-four-year-old Raine MacDonald is no stranger to loss. Behind his handsome face and rockin’ body lies family tragedy and agonizing secrets. When circumstances put him back in the path of his abusive father, fate delivers Jillian as his unwitting savior. Thing is, when he thinks of her, his thoughts are far from platonic.

Despite their age difference, Jillian and Raine discover they’re more alike than they could ever imagine. But torn between facing her own fears and grasping a chance at happiness, Jillian makes a soul-shattering decision that threatens to blow their world apart.

BOOK EXCERPT:

"My heart lifts and my shoulders relax the moment I step outside and the sun hits the crown of my head. The click-clack of my high-heeled sandals across the parking lot marks the distance between me and this godforsaken place. After a silent prayer for Vera, I switch mental gears and find my escape.
Drew, the male lead in my novel who’s loosely based on my real-life Drew, slips into my head the moment I sit behind the wheel. He’s particularly loud today, begging me to write some hot scenes with Becca.
Ah, to be young and brimming with hormones.
I smile and flip on the air-conditioning. “Down, boy. You’ll need to wait until I get home.” I picture him scowling at me with his muscled arms crossed.
One glance in the rearview mirror tells me I need some major construction on my face. Thank God for waterproof mascara. Kitty missed my mini-breakdown before she arrived. No wonder she kept checking to see if I was okay. I look like total crap.
I pull out my compact and smooth my face with mineral powder, dab on some lipstick, and feather on a subtle layer of blush. Makeup always cures what ails me to some degree. “Look good, feel good,” Aunt Vera always says.
Rather than heading out the front entrance, I turn onto the long, winding drive toward the east-side exit. A chunky dump truck emblazoned with Petrillo’s Landscape Design blocks my way. Saplings with puffy treetops are visible over the side.
Seriously? Swearing under my breath, I calculate my chances of squeezing my SUV past the truck and arrive at an unwanted answer. So I shove the car in neutral, set the brake, and get out. I stalk around the oversized Tonka toy to where four guys are digging various parts of a new landscape bed.
My eye gravitates to one in particular. Oh. My. God. Above a pair of dirt-encrusted jeans, his broad, sun-kissed shoulders glimmer in the sunlight. A landscape of ripples contract along his back and arms as he works. His tawny-blond hair is drawn back in a ponytail at the nape of his neck.
I force my slack jaw back into place. “Excuse me.”
Four heads turn at once, and when the blond turns, my breath sucks in fast.
Drew. He looks like Drew—at least in my head and from what I remember. Narrow waist, hard, and lean. Unlike the rest of guys with shovels, he hasn’t used his body as a living canvas for self-expression. He has no ink. But I only wonder why for about half a second. My brain is too busy superimposing Drew as I fight not to gape.
“Um, can someone pull up the truck? I’m trying to get out,” I say, doing my best to be polite. I look away to hide my blush.
An older, dark-haired guy tosses a set of keys to the blond. “Yo. Catch.” By process of elimination, he has to be the “Petrillo” named on the side of the truck. The other two men are smaller Hispanic guys, and the blond doesn’t particularly strike me as a “Petrillo.”
My heart races as the blond trots over with the keys. He scoops up a white T-shirt lying in a mound on the grass on his way over, and wipes his face. Giving me a crooked smile, he heads to the driver’s side.
“Hey, sorry about that. You’re the first person to head down this way all day.”
“This exit points me closer to where I need to go. Sorry to be a pain.”
“No problem,” he says, and climbs up into the cab. The timbre of his voice sends chills down my spine. It’s Drew’s voice . . . or maybe just my overactive imagination.
He stares down at me quizzically. “You good?”
I realize he’s waiting for me. “Uh, yeah,” I say, waking up from my daydream haze and forcing myself back into the SUV to back up.
Acrid black smoke rises skyward from the truck’s vertical exhaust accompanied by the dull roar of the engine as he drives past me, his profile catching my peripheral vision.
My brain short-circuits as my sandal hits the gas pedal. How can I just leave?
The idea hits me like a sledgehammer, and I jam on the brakes. The blond guy is on his way back to where the other guys are planting trees when my mouth develops a mind of its own.
“Excuse me,” I yell impulsively through the open window.
He alters his direction and comes over. Stooping down, he leans his hands on my open window. “What’s up?”
His sudden proximity heightens my heart rate. For a split second, I almost lose my nerve until I look into his stunning blue eyes—Drew’s eyes. For a second, I’m back in the summer of 1990, sitting behind the wheel of my dad’s Chrysler.
Drew drops his backpack of schoolbooks onto his driveway, and leans into the open car window. His eyes, blue like the summer sky, connect with mine. Tawny blond hair falls down around his face. “I’ll pick you up at six-thirty for the concert,” he says and presses his lips to mine. Then he steps back, juts out his hips, and breaks into an air guitar riff and the first line of “Wanted Dead or Alive.”
Giggling, I shift into reverse. “Later, Bon Jovi. Love ya.”
“Love ya, too,” he shouts back, scooping his books off the blacktop.
If I’d only known how little time we had left, I would’ve done so many things differently, kissed him a little longer . . . held onto him a little tighter.
I take a second to compose myself and clear my throat. “Um, this may sound strange, but how would you like to be on a book cover?”
His head jerks back slightly, and his eyebrows fly up. “What?”
Undeterred, I give him a sweet smile and repeat slowly, “Would you. Like to be. On a book cover?”
He chuckles. “I’m not mentally deficient. I heard the question. I’m just not sure what you mean.”
I can’t help but stare at his delicious full lips, wishing I were half my age. I take a deep breath and prepare for his refusal. “You happen to resemble the male lead in a novel I’m writing, and I haven’t had a book cover designed yet. I’m wondering if you’d like to be on it.”                                         
The corner of his mouth tips up. “I think I’m flattered.”
I can’t suppress my smile, secretly glad I fixed my face earlier.
“What would this entail, exactly?” he asks.
“A two- to three-hour photo shoot.” As if I haven’t been impulsive enough, I add, “Sometime this week.”
He gives me a pointed look. “Clothed, right?”
I tilt my head, a spark of hope flaring inside me. “Pretty much the way you’re dressed right now, except with cleaner clothes.”
He looks down at his pants and grins. Then his mouth turns into a frown. “Hmm. This week might be tight.”
“Is that a yes?” My heart picks up tempo.
Petrillo yells over, “Yo! Stop flirting with the nice lady and get back to work, man.”
“Hey, I gotta go.”
“Wait.” I fumble in my purse and pull out a business card. Without thinking, I thrust the card at him and blurt, “I’ll pay you $300 in cash.”
His eyes light up. “Really?” Then he glances at my card. “You’re on, Jillian Grant. By the way, I would’ve done it for free.” Wearing a lopsided smile, he shoves the card in his pocket and taps the side of the SUV with his hand. “I’ll text you.”
A thrill shoots through me as he heads off, and then I remember. “Wait! What’s your name?”
He turns and calls, “Raine. With an e.”
I smile. Raine with an e. It suits him, almost better than Drew. For the first time all day, I feel alive."


                                                     MEET THE AUTHOR:


L.G. O’Connor is a member of the Romance Writers of America. A corporate strategy and marketing executive for a Fortune 250 company, she writes adult paranormal and contemporary romance. She is the author of the four-book, one-novella urban fantasy / paranormal romance series The Angelorum Twelve Chronicles. The third full length novel launches in 2016. In addition, she is the author of the upcoming Romantic Women’s Fiction / New Adult Caught Up in Love series. L.G. lives a life of adventure, navigating her way through dog toys and soccer balls. When she’s feeling particularly brave, she enters the kitchen . . .
Represented by April Eberhardt Literary

Now, a word from L.G. to her readers:

Hey there! Welcome to my website and my blog, Creating the WRITE Reality!
I had never planned to be a writer. As a matter of fact, if anyone told my younger self that I would someday put pen to paper, I would show them my high school SAT scores in English. I would explain that I purposely took calculus to avoid a class requiring written essays. Surely, they had me confused with someone else. Yet here I am…
I’ve been a voracious reader my entire life. Since 2008, I’ve consumed over 375 Young Adult and Adult books in Urban Fantasy, Paranormal Romance, and other miscellaneous genres. Nothing gets me going more than a good book. Then it struck me. I woke up one day in the winter of 2009 and decided to write a book that I wanted to read—scratch that, a series I wanted to read. And the Angelorum Twelve Chronicles were born.
Since then, I have ventured into Contemporary Romance and New Adult, and the Caught Up In Love series came to be. For more info, check out the tab just marked “BOOKS” for release schedules. The first book in the series, Caught Up In RAINE, hits the market on April 18, 2016!
Since 2010, I’ve learned a ton about writing and the industry. But the more I learn, the more I realize there’s so much more to learn. My three objectives remain: strengthening my bond to readers and other authors; continuing to learn about the publishing industry; and improving my craft as a published author.
If you feel you’ve found even one nugget of useful information on this Website, then I’ve succeeded. Please feel free to drop me a comment on the blog, link me on Facebook, follow me on Twitter, or  email me.
Thanks for stopping by and I hope to see you again soon!




[Secção Criminal] "Numa Floresta Muito Escura", de Ruth Ware [Clube do Autor]

Ficha Técnica:


Título:Numa Floresta Muito Escura


Autora: Ruth Ware


Edição: Abril de 2016


Editora: Clube do Autor


Páginas: 328


Género: Thriller psicológico


Classificação atribuída no GoodReads: 4/5




[Sinopse]:

«Não vai largar o livro até chegar à última página. A atmosfera densa e as revelações surpreendentes vão deixá-lo sem fôlego.»

Entertainment Weekly

Uma mulher solitária recebe um convite inesperado para a despedida de solteira de uma amiga que não via há muito tempo. Relutantemente, ela aceita participar na reunião de amigas, algures numa casa isolada na floresta.
Quarenta e oito horas depois, Nora acorda numa cama do hospital. Está ferida mas não se recorda exatamente do que se passou. Sabe, no entanto, que alguém morreu. O que fiz eu?, pergunta-se ela, consciente de que algo muito grave aconteceu naquela casa na floresta escura, muito escura…


Crítica por Isabel Alexandra Almeida para o blogue Os Livros Nossos:


Numa Floresta Muito Escura, de Ruth Ware, traz-nos como protagonista e narradora participante  Nora, uma escritora de policiais que vive uma existência solitária em Londres, onde procura esconder-se do passado que deixou enterrado na terra natal.

Cerca de dez anos volvidos, Nora é surpreendida pela inusitada convocatória para a despedida de solteira daquela que já foi a sua melhor amiga – Clare – que decorrerá numa casa no meio da floresta, num evento organizado por Flo (actual melhor amiga de Clare, que parece nutrir pela mesma uma relação de amizade algo obsessiva e pouco saudável).

 Nora irá acordar internada num hospital, com perda de memória, e receia haver cometido um acto tresloucado que redundou na morte de alguém.

Ciente da persona que construiu para si mesma, na sua nova vida, confronta-se com o seu passado, e com a pessoa que, afinal sempre foi e tem procurado esconder, questionando-se de forma atormentada sobre o que se terá passado numa despedida de solteira que foi tudo menos normal, nos seus mais variados cambiantes e que poderá alterar para sempre a vida de todos os seus intervenientes. Quem serão os culpados e os inocentes nesta trama? Que segredos esconde este grupo de pessoas? O leitor não irá resistir ao apelo de descobrir a resposta para estas perguntas, e irá tentando realizar a sua própria investigação sobre o sucedido.

Estamos perante um thriller psicológico por excelência, com mistério e tensão em crescendo, ao virar de cada página. Um reduzido leque de personagens com forte densidade psicológica, dotadas de conflitos internos, muito bem construídas e que interagem num cenário isolado no meio da floresta cujo toque de mistério faz-nos lembrar algumas das obras emblemáticas do mestre Alfred Hitchcock.

Não nos surpreende, de todo, que a obra esteja já destinada a ser adaptada ao grande ecrã pela actriz Reese Witherspoon, e aguardamos com expectativa tal adaptação cinematográfica.






quinta-feira, 31 de março de 2016

[Blog Blast & Giveaway] "One Hot Summer" (A ONE AND ONLY TEXAS NOVEL), By Melissa Cutler


ONE HOT SUMMER (One and Only Texas #1),  by Melissa Cutler:

Welcome to Dulcet, Texas, home of the legendary Briscoe Ranch Resort, where one woman will discover that even love is bigger in the Lone Star State.


Celebrity wedding planner Remedy Lane is Hollywood royalty—until a scandal sends her packing to the wilds of Texas. She has a knack for leaving disaster in her wake, but she’s determined to reboot her career at Briscoe Ranch, a luxury resort known for extravagant weddings. Little does she know that weddings don’t happen at the resort without the approval of the town’s cowboy-swaggering, too-hot-for-his-own-good fire chief, Micah Garrity.
ONE HOT SUMMER 
Micah knows trouble when he sees it, and all it takes is one glimpse of Remedy’s princess airs for him to know he’s met his match. Too bad he can’t stop thinking about her—even when she brings about one disaster after another at the resort. He and Remedy clash at every turn, but they can’t stop the sparks flying between them. They come from such different worlds—does love stand a chance or will this fire burn too hot for either of them to handle?

Don't miss the first book in Melissa Cutler's One and Only Texas series!


[Book Information]:

Series: One and Only Texas (Book 1)
Mass Market Paperback: 384 pages
Publisher: St. Martin's Paperbacks (April 5, 2016)


Where to Buy the Book?


Ad to GoodReads

[The author - Melissa Cutler]:

Melissa Cutler knows she has the best job in the world, dividing her time between her dual passions for writing sexy small town contemporary romances, western romances, and edge-of-your-seat romantic suspense for a variety of publishers, including Harlequin, Kensington Books, Penguin, and Macmillan. She was struck at an early age by an unrelenting travel bug and is probably planning her next vacation as you read this. When she's not globetrotting, she's enjoying Southern California's flip-flop wearing weather and wrangling two rambunctious kids. Find out more about Melissa and her books at www.melissacutler.net  or write to her at melissa@melissacutler.net  . You can also find Melissa on Facebook (www.facebook.com/MelissaCutlerBooks ) and Twitter (@m_cutler)



ONE HOT SUMMER EXCERPT:

“How is it that you have the power to wrap every man you see around your little finger?” Micah said, nodding to the groomsmen in the distance.
“Except you,” Remedy tossed out with a shrug.
“I’m impervious to your feminine wiles. Unlike those half- wit groomsmen.”
With a wry smile, she ran her hands down her dress. “Look at me. I’m unobtainable and dressed like a virgin librarian. All those guys you saw want to be the one man with the macho power to corrupt my innocence and introduce me to the world’s many wicked pleasures.”
He laughed at the deprecating self- descriptor. Yeah, her getup was drab as hell, but still, a virgin librarian she was not. “It’s a good thing they didn’t see you prancing around in that bikini at the picnic at the river or they’d realize they’re the ones in danger of being corrupted by your wicked ways.”
An image rolled through his mind about the way her water- slick, tanned curves had writhed and bounced as Chet and Dusty had dragged her into the river shallows and tried to teach her how to two- step. Shifting, his body turning restless, he locked his jaw and set his focus on the stars lifting up from the dark silhouettes of the hilltops.
He could not have this woman. He had rules against that kind of fraternization for a reason.
Her voice cut through his self- flagellation. “Are you making a crack about my virtue? Because my virtue happens to love this season’s Dolce & Gabbana swimwear collection, thank you very much.”
That was the most ridiculous sentence he’d heard uttered outside of his TV set. He pinched the bridge of his nose against smiling, but a snort of laughter still managed to escape. Man, was she out of place in Ravel County. He flicked a glance in her direction, valiantly fighting the urge— and failing—to rake his gaze over her body. “Don’t get me started about how those itty- bitty pieces of fabric you were wearing at the river threatened to corrupt my virtue.”
He braced himself for a witty retort or scathing commentary on the irredeemable nature of his virtue, but she didn’t take the softball pitch he’d tossed her. From the corner of his eye he watched her shoulders lift as she inhaled deeply.
On a purr of an exhale, she smiled, triumphant. “Mmm. Chief Garrity, I love knowing how much that bothered you.”
The huskiness in her voice stripped him of all control. Done fighting the urge to drink his fill of her, he tore his gaze from the horizon, but all he caught was her trademark sashay as she left him in her dust and walked into the tent. Whistling under his breath, he spun away from the reception and started back toward his truck. Time for him to get the hell out of California’s orbit before he lost his careful control and fell into rank with the groomsmen trailing behind her like a pack of fools.






a Rafflecopter giveaway

terça-feira, 29 de março de 2016

[Histórico] " A Vingança dos Tudor", de C. W. Gortner [Topseller]

Ficha Técnica:

Título: A Vingança dos Tudor


Autor: C. W. Gortner


Edição: Fevereiro de 2016


Editora: Topseller [Grupo 20/20]


Páginas: 304

Classificação atribuída no GooReads: 5/5


Género: Romance Histórico/Época Tudor




[Sinopse]:

Em 1558, após a morte da Rainha Maria, Isabel Tudor ascende ao trono.

Brendan Prescott, o espião privado de Isabel, é chamado à corte inglesa, depois de um exílio de quatro anos na Suíça. A rainha incumbe-o então de investigar o desaparecimento de uma das suas aias, Lady Parry, que tinha ido visitar a família a uma aldeia distante e nunca mais foi vista.

Ao chegar ao destino, e após conhecer os familiares de Lady Perry, Prescott apercebe-se de que estes escondem um segredo que poderá pôr fim ao reinado de Isabel. O desenrolar dos acontecimentos leva-o também a ter a certeza de que alguém se quer vingar. Resta saber se o alvo da vingança é Isabel ou ele próprio.

Numa atmosfera repleta de segredos, Prescott lutará até ao fim para cumprir a sua missão, procurando nunca pôr em causa aquilo por que sempre lutou: a sua lealdade à rainha. 


Crítica por Isabel Alexandra Almeida para o Blogue Os Livros Nossos:


A Vingança dos Tudor, de C. W. Gortner, é um romance histórico cuja acção decorre em 1558, durante os preliminares do Reinado de Isabel I [filha de Henrique VIII e Ana Bolena], onde voltamos a encontrar Brendan Prescott, o fiel espião ao serviço de Isabel, que é retirado do exílio forçado em Basileia por exigência real, tendo por incumbência descobrir o paradeiro da Aia preferida da Rainha - Lady Parry.

De volta à Corte, Brendan reencontra o seu amor perdido - Kate Stafford, Aia da rainha - e um dos seus mais ferverosos inimigos - Robert Dudley, um nobre com uma relação algo ambígua mas muito próxima de Isabel I, que não esqueceu a intervenção de Brendan contra a ambição da família Dudley, no passado.

O leitor vê-se mergulhado no clima de intriga, alta tensão, perigo e traição da Corte Tudor, sendo o autor exímio em manter o suspense e o mistério ao virar de cada página.

A narrativa apresenta desta feita dois grandes momentos narrativos, um em Londres, na residência Real de whitehall e na taberna de Shelton [o pai de Brendan] e um segundo momento que decorre numa remota zona rural de Inglaterra - Whitern Sea, na decrépita mansão de Lorde e Lady Vaughan, denominada  Vaughan Hall, onde o nosso herói porá a prova os seus dotes de detective, procurando desvendar o mistério que envolve o desaparecimento da Aia da Rainha, Lady Parry [Tia de Lorde Vaughan].

O livro é rico em contrastes sociais que bastante enriquecem a trama. Em Londres, encontramos o ambiente luxuoso da Corte Isabelina, com todo o fausto e futilidade dos cortesãos interessados em bajular e agradar à futura rainha; mas longe de Whitehall, nos arredores lamaçentos da cidade, encontramos a Taberna de Sheldon e da mulher Nan, num meio onde vivem as camadas mais pobres da sociedade, onde é visível o abuso de álcool, a prostituição e a luta diária pela sobrevivência.

Por sua vez, em Vaughan Hall encontramos uma família nobre que atravessa dificuldades financeiras, que sofreu a recente perda do seu jovem herdeiro, vítima de febres, e que esconde obscuros segredos, onde nada nem ninguém é, afinal, o que pareceria ser, numa primeira análise.

Facilmente sentimos empatia por Raff, o jovem e maltratado criado da família Vaughan, uma criança especial, que vive num mundo de fantasia, como escape para a dura realidade em que lhe cabe viver.

Um romance histórico bastante rico, onde não faltam segredos, vingança, acção, perigo, e a inteligência de Brendan, como a sua maior aliada para solucionar o enigma que lhe coube em sorte, em mais uma prova da sua devoção a Isabel I.

Também um tom romântico fica assumido na questão: será a lealdade de Brendan à rainha conciliável com o seu amor por Kate? Como distinguir entre aliados e inimigos?  Esta e outras questões estão apenas à distância das páginas deste livro de leitura deveras envolvente.




segunda-feira, 28 de março de 2016

[4º aniversário - Passatempo 2] Série Hacker [Planeta]

Para assinalar o quarto aniversário do Blogue Os Livros Nossos, temos para sortear os dois títulos, já
editados em Portugal, da Série Erótica que promete ser uma das sensações deste ano - Série Hacker, de Meredith Wild. Este passatempo conta com o apoio da nossa parceira Planeta

[Regras do Passatempo]:

- O passatempo decorrerá até às 23 horas e 59 minutos do dia 11 de Abril de 2016

- Apenas é permitida uma única participação por pessoa

- O passatempo é válido para Portugal Continental e Regiões Autónomas.

- O sorteio será realizado através do site random.org, sendo o livro enviado, por via postal, pela editora ao vencedor que venha a ser apurado, nem a Editora nem a administração do Blogue se responsabilizam por eventual extravio no sistema postal nacional.

- Para validar a sua participação basta preencher correctamente o formulário abaixo, é obrigatório ser seguidor do blogue no Facebook e da página da Editorial Planeta Portugal

- A partilha do passatempo não é obrigatória, mas será bem vinda :)


quarta-feira, 16 de março de 2016

[Entrevista - Internacional] Entrevista a Daniel Sánchez Pardos – autor do Thriller histórico “O Misterioso Senhor G” [Planeta]

No passado dia 2 de Fevereiro de 2016, tivemos a oportunidade de entrevistar o escritor Catalão Daniel Sánchez Pardos, o qual se deslocou a Portugal para participar em diversas iniciativas do Festival Literário “Correntes d´Escritas”, na Póvoa de Varzim, tendo decorrido também em Lisboa, no Instituto Cervantes, um encontro de autores onde Daniel participou, ainda no âmbito do referido evento literário que tem sede na terra Natal de Eça de Queiróz.

Daniel Sánchez Pardos é conhecido do público Português adepto de romances históricos, encontrando-se a sua obra “O Misterioso Senhor G” traduzida para Português e editada pela Planeta. A obra pode ser descrita como um thriller de fundo histórico e conta com a particularidade de, entre as personagens às quais o autor deu vida na Barcelona do Século XIX se encontrar Antonio Gaudi, o celebre e misterioso arquitecto Catalão que é mundialmente conhecido pela sua obra com um estilo próprio e inimitável.

A convite da Planeta, entrevistámos o simpático autor, que connosco partilhou aspectos da sua carreira, da sua obra e do processo criativo, tendo também comentado a sua participação no Festival Literário “Correntes d`Escritas”:

Os Livros Nossos/Diário do Distrito/Nova Gazeta: Considerando o teu início de carreira com o Prémio “Tormenta” em Espanha, qual consideras haver sido a sua evolução desde então até chegarmos a este livro em concreto [O Misterioso Senhor G]?

Daniel Sánchez Pardos: Foi uma evolução muito rápida, em poucos anos. Eu escrevo há muitos anos, primeiro escrevia contos. Publicava contos em revistas há alguns anos e comecei a publicar romances em 2010, há apenas seis anos. Mas sim, nos últimos anos, sobretudo, consegui com O Misterioso Senhor G publicar no estrangeiro e foi o grande passo. Há dois ou três anos nem sequer poderia ter imaginado estar agora em Portugal a falar deste livro, ou tê-lo publicado noutros países. Foi uma grande mudança com a qual, há alguns anos, nem sequer teria sonhado.

Os Livros Nossos/ Diário do Distrito/Nova Gazeta: Qual foi a tua principal motivação para passar dos contos para uma obra de ficção mais alargada?

Daniel Sánchez Pardos: Sinto-me sempre mais confortável com o romance do que com o conto: Imagino que o meu tipo de imaginação, por algum motivo, é mais apropriada para as histórias de ficção mais extensas, para os desenvolvimentos mais afinados. Interessam-me as personagens, que nos romances têm mais a desenvolver, assim como quando escrevia contos tentava escrever romances, o que só consegui quando atingi uma certa idade, é mais difícil conseguir algo que mereça a pena ler. Tendo começado a escrever romances, sinto que é uma zona em que me sinto mais confortável.

Os Livros Nossos/ Diário do Distrito/Nova Gazeta: Será para dar continuidade?

Daniel Sánchez Pardos: Espero escrever mais livros, que a imaginação não se esgote e que a vontade de trabalhar e de escrever se mantenham. Escrever é um dos meus maiores prazeres, publicar ou não, não me importa, o que é importante para mim é escrever.

Os Livros Nossos/ Diário do Distrito/ Nova Gazeta: E Barcelona, acredito que tenha sido uma inspiração especial?

Daniel Sánchez Pardos: Foi uma inspiração especial, mas este é o primeiro livro que escrevo sobre Barcelona. Toda a minha vida vivi ali, mas os meus livros anteriores nunca estavam localizados porque sempre senti que precisava de um pouco de distância em relação ao que escrevia para que a imaginação pudesse voar mais livre. Escrevi sobre Barcelona, mas existe uma distância temporal. Este livro é sobre a Barcelona do Século XIX, uma cidade que, por um lado é a minha, por outro é diferente daquela que hoje podemos conhecer quando passeamos pela cidade, isto ajudou-me a redescobrir a minha cidade, podendo também ter a liberdade de a imaginar.

Os Livros Nossos/ Diário do Distrito/ Nova Gazeta: Inspiraste-te directamente na obra visível de Gaudi na Cidade?

Daniel Sánchez Pardos: Sim sim. Gaudi, para todos os que crescemos em Barcelona é uma presença constante nas nossas vidas, crescemos entre os seus edifícios, entre as suas obras. E ademais, Gaudi é um personagem que me atrai muito como pessoa, é um homem muito misterioso, pouco de sabe sobre ele, tinha uma vida muito íntima, não gostava da vida pública, era muito reservado, muito fixado na sua obra. Tinha um sentimento artístico quase religioso, vivia quase completamente para a sua obra, e isso fazia dele um personagem muito interessante, e isto para um novelista é muito interessante porque deixa muito espaço para a imaginação, podemos trabalhar com ele como se fosse uma personagem de ficção, mas com a vantagem de que foi uma pessoa real e que as suas obras existem e podes vê-las quando passeias por Barcelona.

Os Livros Nossos/Diário do Distrito/Nova Gazeta: Dirias que há uma mística de Gaudi?

Daniel Sánchez Pardos: Sim, sem dúvida, Gaudi era um místico em si, e à volta de ele também se criou toda uma série de lendas, de mitos, relacionados precisamente com a própria estranheza da sua obra. A sua obra é tão diferente, tão estranha que parece que, para a explicarmos precisamos de algo surreal. Há lendas sobre um Gaudi esotérico, sobre um Gaudi inserido em correntes de pensamento alternativas. As suas obras são tão estranhas que podemos imaginar que quando as criava era um homem com uma mente alterada, pelas formas sinuosas que tinham as suas obras, estas imagens oníricas, tudo isto construiu uma mística que o torna mais um personagem de ficção do que da realidade.

Os Livros Nossos/Diário do Distrito/ Nova Gazeta: Fazia um exercício de transcendência ou algo assim?

Daniel Sánchez Pardos: Sim sim, sem dúvida, sem dúvida. 

Os Livros Nossos/ Diário do Distrito/ Nova Gazeta: Como tem sido a aceitação da obra à volta do mundo? Em 2014, na Feira do Livro de Frankfurt os direitos deste livro em concreto foram expandidos para diversos países, incluindo Portugal, que reacções tens dos leitores destes países?

Daniel Sánchez Pardos: Boas, muito boas. Em Espanha saiu o livro, também já foi publicado em itália, aqui em Portugal, na Dinamarca e na América Latina. Claro que o autor nem sempre recebe muita informação sobre o que vai acontecendo, mas vais acompanhando pela internet, e a reacção é boa.

Os Livros Nossos/ Diário do Distrito/ Nova Gazeta: E a experiência da participação no Festival Correntes d´Escritas? Aqui em Portugal estiveste na Póvoa de Varzim, como foi para ti esta experiência?

Daniel Sánchez Pardoss: Foi maravilhoso. Já tinha estado noutros festivais em Espanha, mas era mais breves, de um dia, falavas sobre o teu livro e acerca do tema que te era proposto, demorava poucas horas e voltavas a casa. Aqui foram cinco dias inteiros participando numa localidade que estava focada no festival, tendo contacto directo com vários escritores, que na maioria não conhecia, Portugueses, Latino Americanos, Brasileiros, alguns Espanhóis e foi uma sensação maravilhosa ver uma localidade tão envolvida com a actividade literária, creio que podem estar muito orgulhosos aqui em Portugal.

Os Livros Nossos/ Diário do Distrito/ Nova Gazeta: Gostaste da experiência, repeti-la-ias?

Daniel Sánchez Pardos: Sim, repeti-la-ia.

Os Livros Nossos/ Diário do Distrito/ Nova Gazeta: Que palavras dirias aos leitores Portugueses que queiram ler este livro? Como resumirias o livro em duas ou três palavras, ou numa frase que melhor o pudesse caracterizar?

Daniel Sánchez Pardos: É uma intriga histórica, baseada num personagem real, mas que é tratado como um personagem parcialmente de ficção pelo facto de se tratar de uma época da vida de Gaudi que é pouco conhecida. O objectivo do livro é tentar recriar um momento concreto, que é a Barcelona do Século XIX, recriar uma personalidade tão fascinante como Gaudi, e ao mesmo tempo dar ao leitor um argumento com parte de mistério que se pode sentir até à última página.

Os Livros Nossos/ Diário do Distrito/ Nova Gazeta: Pensas que alguns dos leitores irá despertar a curiosidade de visitar Barcelona?

Daniel Sánchez Pardos: Esse seria o maior elogio ao livro, que lendo sobre a Barcelona do livro possam sentir-se atraídos pela Barcelona de hoje. Vale a pena ir a Barcelona por qualquer motivo, mas também por causa de Gaudi.





Trabalho realizado em colaboração com Diário do DistritoNova Gazeta

Entrevista conduzida por: Isabel de Almeida

Imagem do autor: Gentilmente cedida pela Editorial Planeta - Portugal

Foto do livroautografado: Isabel de Almeida/Blogue Os Livros Nossos



quarta-feira, 2 de março de 2016

[4º aniversário - Passatempo 1] "Um, Dó, Li, Tá", de M. J. Arlidge [Topseller]


O blogue Os Livros Nossos completa, em Março [mais concretamente dia 2], o seu quarto ano de vida, e para nos ajudar a celebrar esta data, iremos ter várias surpresas para os nossos leitores, ao longo de todo o mês.

Assim, temos para sortear um exemplar do livro "Um , Dó , Li, Tá", de M. J. Arlidge, com o simpático apoio da nossa parceira editorial Topseller.

Regras do Passatempo:

- O passatempo decorrerá até às 23 horas e 50 minutos do dia 19 de Março de 2016

- Apenas é permitida uma única participação por pessoa

- O passatempo é válido para Portugal Continental e Regiões Autónomas.

- O sorteio será realizado através do site random.org, sendo o livro enviado, por via postal, pela editora ao vencedor que venha a ser apurado, nem a Editora nem a administração do Blogue se responsabilizam por eventual extravio no sistema postal nacional.

- Para validar a sua participação basta preencher correctamente o formulário abaixo, é obrigatório ser seguidor do blogue no Facebook e da página da Topseller. 

- A partilha do passatempo não é obrigatória, mas será bem vinda :)